Regina Helena de Oliveira Pedroso
BrasilAshoka Fellow desde 1989

Ashoka comemora e celebra a vida e o trabalho deste Ashoka Fellow falecido.

Regina Pedroso desenvolveu e demonstrou com sucesso um programa inovador, descentralizado, financiado localmente e em larga escala para educar e treinar crianças pobres. Agora ela está se preparando para compartilhar sua abordagem com mais de 4.000 municípios em todo o Brasil. Ela também está organizando uma aliança de pessoas preocupadas com as crianças para defender seus interesses.

A Pessoa

Líder estudantil na escola de serviço social e na faculdade de direito, Regina tem vasta experiência como assistente social e ativista política. No início da década de 1980, ela foi convidada para coordenar o programa de São José dos Campos para crianças carentes. Profundamente impressionada com a profundidade e amplitude do problema, ela decidiu "provar que existem alternativas que podem mudar drasticamente a situação, mas que requerem o envolvimento de todos os setores da sociedade" e prometeu colocar o governo, as empresas e as comunidades para trabalhar para as crianças.

A Nova Idéia

Regina está se preparando para criar um esforço nacional para ajudar a construir um apoio novo e eficaz para os muitos milhões de crianças pobres em risco no Brasil. Seu trabalho parte do modelo de muito sucesso que ela desenvolveu em São José dos Campos, uma cidade de 268.073 habitantes no estado de São Paulo. Seu programa agora atende 2.000 crianças. Segundo Regina, “O programa teve sucesso onde outros fracassaram devido à sua abordagem abrangente - trata as crianças de forma consistente e confiável. Oferece educação, capacitação para o trabalho, alimentação, atendimento médico e, acima de tudo, oportunidade de trabalhando em empregos significativos. " Ela tem conseguido abrir as portas de empregos para esses jovens de várias maneiras. Com base em um sucesso anterior em que criou uma série de novos empreendimentos para os desempregados da cidade, ela continuou criando novos empregos diretamente. No entanto, para poder alcançar muito mais crianças com melhores oportunidades e construir uma base privada para seu trabalho, ela mudou seu foco para uma série de acordos bastante incomuns, para o Brasil, com empresas privadas. Hoje sua organização, a Fundação de Atendimento à Criança e ao Adolescente Professor Helio de Souza (FUNDHAS), mantém convênios com 47 empresas que oferecem treinamento remunerado. (O dinheiro é essencial para manter as crianças na escola e em programas de treinamento, já que elas precisam contribuir para o sustento de suas famílias.) Essas empresas socialmente responsáveis também fornecem modelos de adultos muitas vezes ausentes da vida dessas crianças, na forma de "irmão mais velho" supervisores de tipo. Ela também está envolvendo outros elementos da comunidade. O sucesso do programa de educação / treinamento estimulou novas atividades como a UCRAMI, que lida com casos de abuso infantil e fornece, entre outras coisas, serviços de linha direta; UNAJAM, que atende crianças com problemas familiares e / ou jurídicos, e UNIDEM, que administra duas “casas” para meninos de rua, sendo uma voltada especificamente para dependentes químicos. Regina criou a FUNDHAS como uma organização privada. Isso permite que ela alcance além de São José dos Campos. Também protege seu trabalho das perturbações que, de outra forma, seriam a consequência quase inevitável de mudanças de partido e direção no município. Essa mudança tornou seu trabalho para envolver outras pessoas na comunidade ainda mais importante. Por mais que ser independente seja necessário para o estágio atual do próprio trabalho de Regina, um de seus objetivos centrais é fortalecer a iniciativa, capacidade e senso de responsabilidade dos municípios em relação aos filhos. Ela está empenhada em organizar alianças locais de crianças em cidades e vilas em todo o país envolvendo funcionários municipais e grupos privados que cuidam. Ela ajuda a disseminar boas ideias e incentivo. Ela incentiva o tipo de colaboração público / privada que considera tão útil. Ela está, na verdade, encorajando o surgimento de lobbies de crianças locais, comunidade por comunidade. Regina também começou a defender a legislação destinada a ajudar as crianças. Um de seus primeiros esforços (bem-sucedidos) deu a eles direitos mais iguais como trabalhadores. Ela também está pressionando para dar aos municípios mais receita local e, portanto, capacidade de expansão - uma mudança fundamental no sistema fiscal altamente centralizado do Brasil. Tendo desenvolvido um modelo, e ainda muito envolvida com este trabalho de linha de frente, ela agora está decidida a estimular e ajudar 4.000 outras comunidades a construir uma capacidade análoga e impulsionar para experimentar e agir.

O problema

A situação das crianças pobres no Brasil não é nova; um estudo do governo no final dos anos 1970 colocou o número de crianças em risco de cerca de 13 milhões. Desde então, a situação se deteriorou consideravelmente, devido à grave crise econômica do Brasil, e o número de crianças em situação de risco ultrapassa os 20 milhões. Até pouco tempo, essas crianças eram responsabilidade dos governos federal e estadual por meio da Febem e da Funabens. Esse sistema de atendimento altamente centralizado e burocrático não só era ineficiente, desperdiçando recursos escassos, mas também promovia o que Regina chama de "ciclo perverso" - tratar crianças pobres e abandonadas em instituições destinadas a lidar com delinquentes e, de fato, transformá-las em bandidos.

A Estratégia

Regina é uma das fundadoras e coordenadora nacional da "Frente Nacional de Defesa dos Direitos da Criança" (FNdC), organização criada em 1985 com o objetivo de promover a questão da infância e defender seus direitos, especialmente no âmbito da nova Constituição brasileira. . O FNdC também divulga experiências e alternativas de sucesso no atendimento a crianças carentes. Nos últimos anos a FUNDHAS tem sido a sua vitrine, acompanhada pela promoção de núcleos municipais de defesa e serviços infantis. O FndC tem 6.000 membros em 18 estados brasileiros e trabalha com instituições como o UNICEF e a Igreja Católica "Pastoral do Meno". Suas atividades de advocacy contribuíram para aumentar a conscientização do governo e da sociedade não apenas para os problemas das crianças pobres, mas também para as possíveis soluções. No ano passado, uma das propostas mais importantes do FNdC foi transformada em decreto constitucional. O trabalho com crianças carentes agora é principalmente uma responsabilidade municipal (em vez de se espalhar por uma série de diferentes agências governamentais nos níveis nacional, estadual e municipal). Aproveitando a nova realidade jurídica, Regina planeja viajar pelo país para divulgar suas ideias e aconselhar no planejamento e implementação de programas semelhantes. Ela já foi procurada por várias cidades com características diferentes e planeja uma série de casos-piloto para facilitar a multiplicação e o treinamento de pessoal.