Terri Valle Aquino
BrasilAshoka Fellow desde 1989

Terri Valle de Aquino cresceu no Acre, o estado muito pobre e pouco povoado na extremidade sudoeste da bacia amazônica do Brasil. Ele voltou a trabalhar com os povos indígenas e agora se propõe a ajudá-los e a seus inimigos tradicionais, os seringueiros, a aprender a colaborar e a trabalhar juntos econômica e politicamente. Essa colaboração é tão importante para a floresta tropical quanto para os dois povos.

A Pessoa

Terri Valle de Aquino cresceu no Acre. Apesar dos recursos limitados de sua família, sua clara capacidade rendeu-lhe uma bolsa de estudos para um colégio jesuíta no estado do Rio de Janeiro. Ele também se destacou, acompanhando um dos padres no trabalho social externo e, único entre seus pares, ensinando em um orfanato e frequentando o seminário paralelamente. Sua notável habilidade de construir confiança entre os índios com quem trabalhou na última década também foi prefigurada lá: seus colegas estudantes votaram nele aquele em quem eles teriam "maior probabilidade de confiar". Ele ingressou na faculdade no final da década de 1960, vivenciando o choque acirrado entre o idealismo de seus pares e a repressão total forçada que então se abateu sobre o Brasil. Depois de terminar o mestrado em Brasília em 1977, ele se estabeleceu em uma casa no Acre para trabalhar para os índios. Ele criou a Comissão Pró-Índia (CPI) lá em 1978 e atuou como seu presidente. Ele luta há muito tempo pela demarcação das reservas e por ajudar seus moradores a quebrar as garras dos latifundiários, ajudando os índios a se organizarem para levar seus próprios produtos ao mercado.

A Nova Idéia

Terri está trabalhando para encontrar formas práticas, principalmente econômicas, pelas quais os índios e seringueiros aprendam a colaborar. Dadas as pressões intensas e aceleradas sobre a Amazônia e seus povos, resta pouco tempo para desenvolver uma aliança de trabalho durável. Ele acredita que pode ajudar a construir uma série de novas colaborações agora, porque os dois grupos estão tendo que ir além dos padrões das gerações anteriores. Diante das novas forças que os pressionam, eles estão sendo forçados a responder - e o estão fazendo de maneiras surpreendentemente semelhantes. Durante a década de 1980, Terri desempenhou um papel fundamental em ajudar os povos indígenas do Acre a conquistar a demarcação de cerca de 10% do estado em reservas. A nova constituição brasileira permite a eles - não a uma agência governamental - o controle da terra. Os seringueiros também começaram a lutar pela criação de grandes reservas extrativistas, ideia iniciada e defendida por dois colegas da Ashoka, Mary Allegretti e Chico Mendes. As reservas permitiriam que os seringueiros e outros (por exemplo, caçadores e coletores de plantas medicinais) continuassem a viver da floresta. As reservas também fornecem uma estrutura que permite que essas pessoas, agora tituladas, governem a si mesmas. Concentrando-se primeiro em uma grande parte do Acre cruzada por reservas e reservas frequentemente contíguas, Terri trabalhará para estabelecer uma base econômica para tolerância mútua de longo prazo e cooperação política sustentável. A partir de uma maquete do Vale do Juruá, Terri, por exemplo, tem ajudado um grupo de seringueiros da bacia do rio Tejo a criar uma cooperativa de borracha em uma área adjacente a terras de cinco indígenas locais. A cooperativa envolve índios das tribos na produção, recompensando-os com uma parte dos lucros. O projeto já começa a render uma produção mais eficiente e com maior renda para os dois grupos do que antes.

O problema

Aqueles que lutam para preservar a floresta amazônica sabem que um sucesso significativo em escala só é possível em aliança com aqueles que agora vivem e dependem da floresta. Se os habitantes podem obter uma vida decente da floresta, será do seu interesse defendê-la contra os criadores de gado e outros que a destruiriam. As ameaças estão aumentando. A nova rodovia estadual (BR-364), que ligará a Amazônia brasileira ao Oceano Pacífico, já provocou uma série de novas mudanças. Grandes áreas de floresta tropical praticamente intocada, originalmente divididas em seringais (plantações de seringueiras), foram devastadas e transformadas em pastagens por pecuaristas do sul do Brasil. Junto com essas grandes empresas, surgiram ondas e mais ondas de trabalhadores rurais sem-terra, também geralmente do sul, que buscam se estabelecer no Acre. Os conflitos resultantes foram numerosos e violentos, como o mundo aprendeu com o assassinato de Chico Mendes em 1988. No entanto, apesar da crescente preocupação e pressão internacional, a destruição continua. Os incêndios "limpando" a floresta são tão intensos durante a estação seca que a fumaça freqüentemente força o fechamento dos aeroportos da região. Para que os povos da floresta se tornem defensores eficazes, eles devem primeiro se conscientizar das complexidades do problema, aprender como organizar e defender seus interesses e como trabalhar juntos, apesar das grandes distâncias, profundos preconceitos, enormes lacunas culturais e gerações de matança. Os dois maiores grupos isolados em grande parte da Amazônia são os povos indígenas e os seringueiros. Infelizmente, a relação histórica tem sido adversa. Embora ambos tenham sofrido nas mãos de algumas famílias que receberam grandes propriedades no final do século XIX, os índios foram os que mais sofreram. Seu destino era o preconceito, muitas vezes a escravidão e a morte. Este último muito comumente veio nas mãos dos migrantes transformados em seringueiros que, como os proprietários de terras, viam os índios como preguiçosos, selvagens e inúteis. O trabalho de Terri não será fácil. Um sinal de quanto trabalho deve ser feito: assim que os índios do Acre assumiram o controle de suas reservas recém demarcadas, forçaram os seringueiros que moravam e trabalhavam lá a partir. Enquanto esse abismo persistir, será muito difícil formar uma aliança confiável, quanto mais durável, para proteger a floresta e os interesses de ambos os grupos.

A Estratégia

Em março de 1989, representantes dos moradores da Amazônia se reuniram no Acre no primeiro encontro dos Povos da Floresta. Eles estavam se aproximando para formar uma aliança defensiva para proteger seu mundo. Foi um passo importante em uma longa e traiçoeira jornada. O trabalho de Terri é encontrar e demonstrar maneiras concretas e facilmente replicáveis de construir as inúmeras relações de benefício mútuo entre os índios da região e seus novos imigrantes, que devem fornecer as bases sobre as quais a confiança e qualquer aliança duradoura terão de descansar. Terri pretende primeiro continuar o seu trabalho no Rio Tejo, trabalhando através de uma série de ideias que tem para estimular a colaboração económica. Feito isso, e mesmo durante as chuvas, ele tentará se espalhar para outras áreas onde seringueiros e índios possam unir forças. Já colunista com foco especial em questões indígenas no principal jornal do estado, ele expandirá seu uso da imprensa. Ele também espera mais tarde levar sua ideia e experiência para além da Amazônia. Ele está planejando organizar uma série de palestras e reuniões fora da região e também publicar mais amplamente.