Sérgio roberto marques Santana
BrasilAshoka Fellow desde 1989

Sergio Marques Santana, 32, está melhorando a vida da população de baixa renda da Baixada Fluminense, um subúrbio proletário do Rio de Janeiro, e de grupos rurais pobres, desenvolvendo oportunidades concretas de intercâmbio e apoio entre esses dois grupos.

A Pessoa

Santana é da pobre região Nordeste do Brasil e cresceu na Baixada. Começou a trabalhar aos 12 anos e, como a maioria dos trabalhadores, fazia as cansativas viagens diárias para trabalhar na cidade. Na década de 1970, Santana se envolveu no trabalho social da Igreja Católica progressista e deixou um emprego de professor em uma escola particular para coordenar a educação de adultos em um centro de aprendizagem alternativo relacionado à igreja. A partir daí, envolvimento com lutas trabalhistas, moradores & # 39; associações e atividades de treinamento profissional & quot; fez o resto & quot; afirma que quando questionado sobre o que o motivou a empreender este projeto, Santana respondeu: “Foi a sensação de que todos os homens têm direitos iguais ao respeito e à dignidade”.

A Nova Idéia

Os prédios brancos bem arrumados com vegetação ornamental destacam-se em um bairro de ruas de barro e moradias em ruínas, mas os prédios abrigam um empreendimento que faz parte dessa comunidade pobre da periferia do Rio de Janeiro. É a APAC, Associação dos Produtores Autônomos da Cidade e do Campo, onde 30 operários e metalúrgicos produzem alfaias agrícolas e equipamentos de saneamento de baixo custo e, mais recentemente, 18 mulheres costuram uniformes e outras roupas sob encomenda, às vezes a preço de custo. Eles não são funcionários. Eles próprios construíram o complexo de lojas e escritórios e são coproprietários que administram seus empreendimentos por consenso. & quot; É realmente uma revolução no trabalho, não é? & quot; perguntou um membro da cooperativa de costura. Sergio Marques Santana cofundou, coordena e preside a APAC, mas invariavelmente diz & quot; nós & quot; em vez de & quot; I & quot; ao falar de seu trabalho lá. Seus conceitos empreendedores altamente democráticos se desenvolveram ao longo de 15 anos ensinando cursos comunitários em habilidades comerciais e evoluíram para a APAC, inaugurada em julho de 1987. Santana e associados viajam para áreas rurais em todo o Brasil mostrando amostras dos pequenos equipamentos agrícolas que produzem e ouvindo os agricultores & # 39; ideias sobre como personalizar ferramentas de acordo com a topografia e o clima de sua área. Os associados da APAC devolvem e constroem implementos agrícolas manuais e puxados por cavalos e os vendem a baixo custo, principalmente por meio de sindicatos e cooperativas rurais. A APAC recebia em média dez conjuntos de arados e acessórios por mês em 1989, além de outros pedidos. Como em outros lugares, as fazendas de subsistência e de caminhões no Brasil estão rapidamente sendo substituídas por lavouras em grande escala adequadas para a exportação de safras e promovidas na agroindústria. Ao mesmo tempo, as cidades aumentaram parcialmente com os migrantes expulsos das áreas rurais em busca de empregos. A Baixada, ou baixada do Grande Rio, onde Santana vive e trabalha, exibe as consequências desastrosas de 30 anos de migração rural para urbana: quase quatro milhões de pessoas vivendo em condições precárias e em grande parte dependendo de empregos mal pagos longe de suas casas. Com o dinheiro inicial do Programa Pão para o Mundo da Igreja Luterana, o banco nacional de desenvolvimento do Brasil e outros credores e doadores, a APAC construiu e equipou as oficinas de máquinas e metais. Não recebe mais financiamento externo, mas atingiu uma autossuficiência que permite aos associados ficar perto de casa, desfrutar de autonomia e ainda ganhar cinco vezes mais do que ganhariam em empregos industriais a horas de distância de ônibus lotado. Um dos sonhos de Santana, diz ele, é uma estrutura duradoura, uma troca entre os pequenos produtores que os livra dos ditames da grande indústria e da grande agricultura. ” Do ponto de vista comercial, é complicado para um pequeno produtor administrar a estabilidade financeira, & quot; ele diz. & quot; A única maneira que conhecemos de fazer acontecer é criar uma rede de troca do que é produzido aqui na cidade e necessário no país pelo que é produzido lá e necessário aqui. & quot; A APAC trocou equipamentos por alimentos no estado do Rio de Janeiro, trouxe fazendeiros para ver as oficinas de metal e máquinas e levou vendedores para ver os fazendeiros trabalhos. Os fazendeiros viram seu algodão ser transformado em uniformes na cooperativa de costura e os maquinistas viram seus arados trabalhando nos campos. Assim, o espaço diminui entre cidade e campo, produtor e consumidor. Outro sonho de Santana para a APAC é vê-la aumentar a conscientização e o padrão de vida de seu próprio bairro. & quot; As pessoas veem mil peças de equipamento saindo daqui e isso não significa nada para elas. Isso pode beneficiá-los no longo prazo, mas eles não percebem nenhuma diferença porque a APAC está aqui, ” Santana diz. “Temos problemas aqui, problemas de saúde gravíssimos, doenças infecciosas, alta mortalidade infantil, sujeira. Todo esse trabalho que estamos fazendo com a cidade tem um objetivo, construir uma estação de tratamento de lixo. “Além de equipamentos agrícolas, a APAC constrói equipamentos de saneamento para o governo de São João de Meriti, município da Baixada com 700 mil habitantes. & quot; O saneamento agora é uma desgraça total, & quot; diz Santana. & quot; Calculamos que esta cidade produz 350 toneladas de lixo por dia. Eu realmente não sei para onde vai, mas sei que um quarto dele não é coletado e apenas se acumula nas esquinas e nos quintais, gerando ratos, insetos e doenças. “Os associados da APAC estão estudando reciclagem e visitando estações de tratamento de lixo eficientes quando viajam. Eles já fabricam todos os equipamentos necessários para fazer o cano de concreto, e a prefeitura está pedindo à APAC que adquira sua planta de cano, uma oferta que a associação está considerando. Para conseguir o contrato de equipamentos de saneamento, a APAC superou as pressões de cartéis acostumados a subornar políticos e aumentar contas em contratos públicos. Santana diz que a APAC surpreendeu as autoridades municipais ao atender aos pedidos dentro do prazo e do orçamento. As pressões pararam agora que a APAC estabeleceu que seus associados pretendem genuinamente ajudar a melhorar as condições de vida em sua cidade. Para Santana, um dos momentos mais emocionantes no crescimento da APAC foi a inauguração das instalações, quando mesmo a chuva torrencial e a lama na altura dos tornozelos não afastaram os moradores da área. Eles vieram ver do que se tratava a APAC, diz Santana, e o interesse e a participação cresceram desde então.

O problema

A Baixada Fluminense está sujeita a desemprego crônico, altos índices de criminalidade e serviços de saúde precários. A população da região serve como uma grande fonte de mão-de-obra (especialmente os metalúrgicos) para os patrões do Rio de Janeiro, inchando a cidade todos os dias para trabalhar nos empregos mais mal pagos, viajando de 2 a 3 horas em ônibus lotados para chegar à cidade . Oitenta por cento da população rural são pequenos agricultores que vivem sem as necessidades mais básicas. Esses pequenos produtores não podem pagar equipamentos agrícolas tecnologicamente sofisticados e caros. Muitos deles deixam o campo e se tornam trabalhadores urbanos.

A Estratégia

1.Santana, por meio da APAC, trabalha para construir vínculos entre pequenos produtores rurais e urbanos para benefício mútuo. A fabricação de pequenos equipamentos agrícolas oferece aos moradores da Baixada a alternativa de trabalhar longas horas longe de casa por um salário mínimo. O equipamento é acessível para agricultores de subsistência, especialmente quando adquirido e usado coletivamente, e é personalizado, quando necessário, com solo e topografia para aumentar a produção agrícola.2. Os trabalhadores da Baixada colaboram em serviços alternativos e equipamentos úteis para a baixa renda periferias, como abastecimento direto de produtos agrícolas, oficinas comunitárias e reciclagem e tratamento de lixo.3. Os participantes compartilham experiências e disseminam ideias por meio de movimentos populares, grupos comunitários e instituições na Baixada, em áreas rurais e em cidades de todo o Brasil.