Aldanio Roberto Oliveira de Carvalho
BrasilAshoka Fellow desde 1990

Aldanio Carvalho, um engenheiro químico, está ajudando os pobres de Recife a obter moradias sólidas e acessíveis, produzindo tijolos baratos e resistentes e fornecendo assistência técnica a construtores residentes.

A Pessoa

O pai de Aldanio era uma curiosa mistura de ideais socialistas e conhecedor de negócios. Ele lia muito e encorajava seus filhos a ler e discutir questões sociais e filosofia. Dos oito filhos, Aldanio tornou-se o que mais se interessou pelo pensamento social. O pai de Aldanio também tinha lojas de roupas e, após se aposentar, comprou uma para si. As crianças ajudavam na loja, mas nenhuma seguia os passos comerciais do pai. Aos 13 anos, Aldanio ficou chocado quando o padre que lhe ensinou filosofia em uma escola católica foi assassinado, presumivelmente pelos militares por ativismo contra o regime militar. Na escola, ele escreveu poesia e foi atraído pelo jornalismo, mas decidiu-se pela engenharia como carreira. Aldanio participou de organizações estudantis, mas sempre manteve o status de aluno estrela e ajudou a mudar a forma como os cursos de engenharia eram ministrados. Na faculdade, Aldanio teve a oportunidade de trabalhar em um programa nuclear na Alemanha, mas recusou por motivos de consciência. Após a formatura, ele trabalhou brevemente no departamento de controle de qualidade de uma empresa de engarrafamento de refrigerantes, mas achou o trabalho enfadonho e restritivo e sentiu que preferia atender ao público. Uma amiga foi eleita para a prefeitura de Cabo e Aldanio foi trabalhar em sua administração populista. Aí começou a desenvolver o programa de materiais e construção habitacional que se tornou HABITEC.

A Nova Idéia

Setenta por cento da população brasileira vive em cidades, e a maior parte deles não pode pagar por uma moradia de qualidade. Reduzir o custo da construção de casas cortaria simultaneamente suas despesas e geraria uma forma importante de economia; para muitas famílias, acumular tijolos no terreno da favela é análogo a desenvolver uma conta de poupança no banco. Melhor moradia também significa mais respeito próprio, menos atrito prejudicial à família que flui de ambientes muito próximos e um pouco mais de espaço para as crianças usarem para estudar em relativo silêncio. Aldanio vê sua tarefa, então, como atender às necessidades técnicas e organizacionais dessas famílias pobres, que devem construir suas próprias casas com muito pouco dinheiro ou ajuda. Os tijolos constituem o maior custo individual que a maioria desses construtores de autoajuda deve arcar, em muitos casos, cerca de metade dos custos em dinheiro. Portanto, Aldanio tem dado atenção prioritária ao desenvolvimento de novas formas de produção de tijolos de baixo custo. Seu principal desafio foi desenvolver um tijolo durável que não necessitasse do caro processo de queima. A alternativa padrão tem sido & quot; pressionar & quot; tijolos com ingredientes facilmente disponíveis, principalmente argila. Mas os tijolos prensados, especialmente se usados perto do porta-malas de um prédio, são susceptíveis de absorver a umidade do solo e se esfarelar. Eles também sofrem com o corte da água, como a chuva que cai do solo contra a parte inferior de uma parede. Aldanio encontrou uma nova maneira de resolver este problema a um custo muito baixo. Ao adicionar às suas misturas de tijolos certos resíduos industriais amplamente disponíveis, por exemplo, da fabricação de tintas, ele agora é capaz de produzir tijolos não queimados que resistem solidamente a essas ameaças de água. Ele também desenvolveu processos de produção e equipamentos que lhe permitem produzir milhares desses tijolos, obtendo economias de escala. Ele agora espera abrir uma fábrica piloto autossustentável de tijolos na região de Recife. À medida que ele ganha experiência com a primeira unidade de produção e refina ainda mais o processo, e à medida que a demanda aumenta, o projeto da fábrica prevê a adição de outras unidades de produção modulares. Embora Aldanio espere que esses novos tijolos duráveis e de baixo custo forneçam um incentivo poderoso para construtoras de autoajuda em comunidades pobres e, com sorte, uma base econômica para sua organização, ele sabe que por si só não são suficientes. É por isso que ele deseja atrair grupos comunitários como parceiros. & quot; Temos que encontrar métodos igualmente alternativos e adequados para planejar, captar e usar financiamento e administrar projetos, & quot; ele diz. Consequentemente, a organização sem fins lucrativos de Aldanio, HABITEC, apóia sua venda de tijolos e equipamentos com programas abrangentes de suporte técnico e organizacional.

O problema

O Brasil reconhece um déficit habitacional de 10 milhões de unidades. Supondo cinco pessoas por família, isso significa que mais de um terço da população não tem casas minimamente aceitáveis. Esse déficit afeta principalmente famílias que ganham menos de US $ 200 por mês, como os milhares de novos imigrantes rurais na periferia de Recife onde Aldanio está implementando seu plano. assumimos uma escala de produção não econômica de casa por família, ou porque os materiais alternativos não provaram ser de valor a longo prazo. Tem havido uma história funesta de grupos comunitários concordando em tentar uma tecnologia ou material alternativo apenas para descobrir um ano ou mais depois que seu prédio está se desintegrando. Essas experiências não encorajam novos experimentos.

A Estratégia

Aldanio criou uma empresa privada sem fins lucrativos, HABITEC, para reunir as pessoas e os recursos que seu ambicioso plano requer. Ele também criou a companheira Pro-Habitar Foundation, um conselho de líderes comunitários, para representar a comunidade e envolver muitas de suas principais organizações. Devido à atual crise econômica no Brasil, Aldanio pode não encontrar financiamento total imediatamente para sua fábrica de tijolos. Mesmo que enfrente tal atraso, ele e seus colegas ainda podem produzir em uma escala modesta. Usando equipamentos de primeira geração, Aldanio conseguiu produzir 6.000 tijolos por dia. O primeiro módulo da nova instalação que ele está tentando financiar produzirá 10.000 tijolos de baixo custo por dia. Ao refinar o processo e sua conexão com grupos comunitários, ele espera abrir unidades semelhantes em outras regiões. A HABITEC vende seus tijolos em conjunto com um plano geral de habitação comunitária, um ponto-chave que o distingue de muitas tentativas anteriores de fornecer novas tecnologias de construção adequadas. Uma equipe técnica do HABITEC ajudará grupos comunitários a elaborar um projeto, atrair fundos para a construção e gerenciar a construção de forma eficiente. O estatuto do HABITEC exige que funcione de forma autônoma e independente de influências políticas ou econômicas e sirva as comunidades pobres. Já nesta fase, Aldanio começou a espalhar suas idéias dentro e fora do Nordeste do Brasil. Recentemente, ele conseguiu que o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas publicasse um breve estudo de seu trabalho.