Merlong Solano Nogueira
BrasilAshoka Fellow desde 1990

Merlong está ajudando pequenos agricultores no estado do Piauí a superar atitudes historicamente derrotistas para se tornarem mais produtivos. Por meio da CERMO, uma organização educacional e de consultoria sem fins lucrativos que co-fundou, ele espera ajudar os pequenos agricultores da região a se tornarem mais produtivos e se combinarem para obter maior poder de mercado.

A Pessoa

Merlong nasceu e foi educado no Piauí. Embora ele morasse na capital, seus avós eram pequenos agricultores e seu pai trabalhou em uma plantação até que ele era jovem. Quando adolescente, Merlong foi influenciado por vários grupos de jovens da igreja aos quais se juntou. Eles o levaram a refletir sobre a condição humana e suas muitas tristezas no Brasil. Na universidade, ele atuou no movimento estudantil numa época em que o governo estudantil estava voltando à vida após o regime militar. Os cursos de economia e história o convenceram de que trabalhar por políticas eficazes para os pequenos agricultores é o primeiro passo para a superação da pobreza piauiense. Depois da universidade, foi cofundador do CEPAC, Centro de Educação Popular do Piauí, e por meio dessa e de suas atividades subseqüentes com os sindicatos de trabalhadores rurais, enfrentou os problemas que diariamente enfrentam os trabalhadores urbanos e rurais do Piauí.

A Nova Idéia

Piauí é o estado mais pobre do Brasil. A maioria de seus habitantes são pequenos proprietários de terras ou trabalhadores migrantes sem terra, e suas práticas agrícolas ineficientes, junto com a falta de esforços de marketing cooperativo, contribuem significativamente para sua economia deprimida. Merlong co-fundou o CERMO (Centro Manoel Otavio de Educação Popular Rural) para servir a dois propósitos: 1) ajudar pequenos agricultores com instrução agrícola prática, aumentando assim sua produtividade e renda e 2) conectar grupos de agricultores locais que agora têm poucos funcionários , conhecimento técnico ou alavancagem de marketing e desenvolver sua capacidade por meio da colaboração. Merlong vê muitas oportunidades para aumentar a renda dos agricultores por meio da atenção a melhores safras, melhores métodos de plantio e melhores técnicas de produção. Os coletores do coco babaçu, por exemplo, agora vendem a fruta inteira para intermediários da indústria a preços baixíssimos. Com um mínimo de processamento, as comunidades poderiam extrair e vender o óleo, que tem um preço superior ao do coco original, e reter a polpa, uma excelente ração para porcos e galinhas. Como outro exemplo, o CERMO está provando a eficácia da " irrigação por vaso. ”Os agricultores enterram um vaso poroso próximo ao maracujá e o enchem de água a cada três dias. Isso permite a rega eficiente e oportuna das plantas no solo seco do nordeste. A CERMO também está experimentando técnicas alternativas em hortas, avicultura, apicultura e fruticultura. Os esforços para criar um movimento estadual de pequenos agricultores complementam os programas de treinamento agrícola de Merlong. O Conselho Deliberativo do CERMO é composto por representantes de diversas organizações rurais: sindicatos de trabalhadores rurais, associações de produtores e consumidores, municípios e outros centros de ensino. CERMO é o primeiro grupo a reuni-los, garantindo assim a rápida disseminação das ideias de Merlong. Mais importante ainda, fornece uma base institucional necessária para um ataque coordenado às causas de séculos de penúria dos pequenos agricultores.

O problema

As raízes da pobreza do Piauí alcançaram profundas raízes na história, quando as plantações de açúcar e as fazendas de gado estabeleceram o domínio das grandes propriedades. Apenas 1.400 grandes propriedades respondem por mais de 40% do total de terras cultivadas no Piauí, enquanto 195.000 das pequenas propriedades da região (menos de 10 hectares) representam apenas 3,35% do total. uso e produtividade, impede o desenvolvimento do potencial natural do estado. Sem produtos primários de valor nem indústria, a economia do Piauí é sustentada por transferências do governo federal, a maioria das quais vai para pagar salários do governo e, em última análise, flui para o sul para pagar as importações. Mais da metade dos 2,5 milhões de habitantes do Piauí trabalha em pequenas propriedades, mas produtividade fica atrás de outras regiões. Expostos a pouco do novo know-how técnico, os pequenos agricultores piauienses continuam a derrubar e queimar, empobrecendo o solo e contribuindo para sua erosão. A apicultura tradicional depende da queima das colmeias, que produz mel de segunda classe e interfere na reprodução das abelhas. Os produtores de arroz processam seu produto na cidade e levam de volta apenas o arroz polido para comer, deixando para trás a polpa acinzentada que cobre o grão, a parte mais rica em nutrientes. Merlong vê essas e muitas outras áreas como maduras para melhorias. As 140.000 famílias que continuam a trabalhar como trabalhadores migrantes estão ainda pior. Espalhados entre muitas pequenas organizações, eles são impotentes contra os grandes proprietários de terras.

A Estratégia

A estratégia de Merlong tem duas partes. Ele e seus colegas de trabalho buscam formas de aumentar a produtividade e, em seguida, espalhar suas inovações diretamente, por meio de trabalho de instrução e extensão, e indiretamente, por meio da rede CERMO. Ele também estimula atividades políticas e organizacionais para tirar iniciativas locais do isolamento, ajudando assim a criar movimento vibrante de pequenos agricultores em todo o estado. A maior parte do trabalho técnico do CERMO ocorre em sua fazenda de 48 acres nos arredores de Teresina, a capital do estado. Aqui montou parcelas experimentais e converteu armazéns abandonados em unidades de apoio: salas de aula, cantina, centro de mel, etc. Os funcionários ministram cursos de 3 dias em várias áreas de interesse dos pequenos agricultores, reunindo teoria e prática nas parcelas de demonstração O impacto mais amplo de .CERMO no desenvolvimento rural vem de várias de suas outras iniciativas. Composto por representantes de várias associações locais, o CERMO está trabalhando para ampliar a rede, incentivando grupos que se restringem à organização sindical de trabalhadores rurais a aproveitarem o poder de mobilização da organização com base nas demandas dos pequenos agricultores. Merlong projeta muitos de seus programas agrícolas com vistas a tal formação de coalizões. Recentemente, por exemplo, ele reuniu apicultores em um programa de marketing conjunto e mobilizou o apoio público por meio de reuniões e seminários explicando a importância do mel e questionando o fracasso do governo em desenvolver políticas para o setor. Merlong e seus colegas também estão monitorando intensamente e documentando os padrões de desenvolvimento de várias comunidades do estado. Depois de concluir este estudo de três anos, eles publicarão os resultados e envolverão o governo em um debate sobre suas práticas e políticas em relação aos pequenos produtores no Piauí. Em outras palavras, Merlong está unificando os pequenos agricultores do estado e seus aliados, e ele e o CERMO estão surgindo como a instituição-chave na formulação de uma política de desenvolvimento alternativa para os agricultores do Piauí.