Silvia Maria Carvalho
BrasilAshoka Fellow desde 1986

Silvia dedica seu trabalho à formação de professores e demais atores da educação pública em escolas primárias de educação infantil. Com seu trabalho no Instituto Avisa Lá construiu um sistema contínuo de formação de professores vinculado à aprendizagem dos alunos.

A Pessoa

No decorrer do trabalho para resolver seus problemas imediatos nas creches existentes, Lenira e Silvia gradualmente desenvolveram uma crítica sistemática do padrão atual de serviço. A partir disso, eles desenvolveram uma abordagem alternativa prática, concretamente demonstrada e de grande sucesso. Este modelo alternativo está se tornando cada vez mais popular. Já se espalhou para outras cinco creches da região. O processo de aprendizagem nem sempre foi fácil. Por exemplo, cerca de seis meses depois de começarem a envolver os pais da área nas atividades do centro, Lenira e Silvia tiveram que enfrentar conflitos entre os funcionários, que geralmente se viam e agiam como substitutos da mãe, e pais ressentidos. Eles responderam redefinindo o papel da equipe mais no modelo de um educador profissional. A mudança levou meses e gerou muita raiva na equipe. Esta foi apenas uma vertente em um processo de aprendizagem de vários anos que deu a Lenira e Silvia o entendimento prático profundo que agora sustenta sua visão mais generalizada e uma arena de alvos muito mais ampla. Esses anos, acompanhados por um processo paralelo de formulação conceitual e autoaperfeiçoamento profissional, constituíram os anos de & quot; aprendizagem & quot; que os tornam prontos para & quot; decolagem & quot; para ter um grande impacto agora.

A Nova Idéia

Silvia Carvalho está no meio de um esforço nacional para introduzir creches profissionais inovadoras e modernas no Brasil. Com base em sua considerável experiência no campo, ela desenvolveu novas abordagens práticas que funcionam. No processo, ela está redefinindo a creche, passando de "babá" a um serviço educacional, nutricional e de saúde abrangente. Ela espera transformar as creches de um "local de despejo" para crianças pobres em instituições respeitáveis, administradas não por "substitutas de mães", mas por profissionais que trabalham e respeitam tanto as famílias quanto as crianças.

O problema

Quando todos os adultos de uma família precisam trabalhar, especialmente em toda a área comum de muitas cidades brasileiras, creches para seus filhos se tornam uma necessidade. Isso é especialmente verdadeiro para os pobres. No Brasil, entretanto, creches são raras e geralmente uma forma de & quot; socorro & quot; em vez de educação pré-escolar. Historicamente, a maioria dos centros, especialmente aqueles apoiados pelo município e pelo estado, foram projetados para fornecer serviços de socorro para crianças de famílias pobres, onde a saúde precária, desnutrição aguda e a incapacidade de uma mãe que trabalha para fornecer cuidados mínimos são características. Essa história levou a um padrão que paralisou o surgimento de serviços pré-escolares modernos voltados para o desenvolvimento infantil. A ideia de ajuda de emergência conotava facilmente uma crítica aos pais e parecia justificar sua exclusão da participação nas atividades do centro. Os centros, em busca de profissionais para serem substitutos maternos, buscavam mulheres, de preferência mães, ao invés de exigirem capacitação profissional para a prestação de cuidados. A creche assumiu o estigma de um programa de bem-estar para as famílias menos capazes de que bons pais (e certamente de classe média) não precisariam. Lenira e Silvia possuem vasta experiência em creches no Estado de São Paulo. Lenira é uma psicóloga que dirige um centro em um bairro pobre há mais de cinco anos. Silvia supervisionou 25 centros municipais. Ambos lutavam diariamente com problemas que variavam de alto absenteísmo a conflitos entre pais e funcionários - em resumo, problemas que faziam com que as crianças obtivessem pouco benefício de desenvolvimento com suas dez horas diárias nos centros.

A Estratégia

Vindo dessa experiência, um dos princípios fundamentais de Lenira e Silvia é que o trabalho pré-escolar deve ser transformado em um empreendimento profissional. Lenira e Silvia estabeleceram a profissão de desenvolvimento da primeira infância como uma opção de carreira atraente - uma que respeita a si mesma e é respeitada. Seu desenvolvimento e estrutura definida pela profissão está trazendo uma série de benefícios que se reforçam mutuamente. Mudar a definição de funções da equipe melhorou o trabalho e melhorou a auto-estima. À medida que a antiga e bastante negativa competição entre a equipe e os pais diminuiu, a participação dos pais aumentou, alavancando os esforços da equipe. Uma equipe mais profissional assume mais responsabilidade e iniciativa. Junto com o maior envolvimento dos pais, isso leva a mais novas ideias, maior experimentação e mudança efetiva. Lenira e Silvia, cada vez mais apoiados por centros que se tornaram eles próprios motores de mudança, estão a introduzir uma série de abordagens específicas novas ou adaptadas aos programas dos centros que ajudam. Esses incluem: * As discussões que começaram nas reuniões de equipe do centro modelo levaram ao & quot; agendamento duplo & quot; (dois turnos de 6 horas espalhados pelos pais & dias de trabalho de 10-12 horas), uma abordagem que agora está se espalhando por toda a região. * Eles experimentaram adaptar os modelos de centros mais descentralizados (tanto organizacional quanto fisicamente). Enquanto no cenário tradicional um grupo de crianças era alocado a uma trabalhadora (substituta da mãe), agora as crianças podem se mover entre as salas de interesse - cada uma com sua própria equipe e um conjunto apropriado de brinquedos, arte e materiais relacionados. Os trabalhadores (educadores) & quot; portas abertas & quot; e as crianças têm alguma escolha e uma gama mais ampla de contatos. Tendo provado que tais inovações podem funcionar, Lenira e Silvia deixaram seus empregos para criar a & quot; Crecheplan & quot ;, trazendo consigo vários outros profissionais de creche. Crecheplan é uma organização sem fins lucrativos que oferece consultoria em creches, trabalho comunitário e cursos de treinamento. A Crecheplan iniciou seu primeiro treinamento em 1987, poucos meses depois que Lenira e Silvia receberam sua Ashoka Fellowship. Seus cursos atendem a profissionais de creches estaduais, municipais, religiosas e industriais. Seus primeiros cursos foram muito bem-sucedidos: agora eles têm uma longa lista de espera para as próximas ofertas. Uma das atividades importantes da Crecheplan é a & quot; assistência gratuita & quot; programa para creches pobres administradas pela comunidade. Este trabalho geralmente envolve uma gama de atividades de creche, incluindo: treinamento de pessoal, design de layout físico, desenvolvimento de atividades criativas e educacionais adequadas para as crianças e até mesmo o desenvolvimento de menus nutricionais sazonais com base na disponibilidade de safras locais e baratas. Este treinamento direto e assistência de consultoria ajuda Lenira e Silvia a desenvolver ainda mais suas ideias, construir um núcleo de aliados profissionais e iniciar um processo de disseminação. Para ter o grande impacto que desejam e de que é claramente necessário, Lenira e Sylvia sabem que precisam atingir um público mais amplo. Eles estão fazendo isso de várias maneiras. Talvez o mais importante imediatamente seja o movimento das mulheres. Eles ganharam o apoio e o endosso de vários dos principais líderes do movimento em todo o Brasil. O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, uma organização guarda-chuva para grupos de mulheres, por exemplo, concordou recentemente em distribuir os materiais da Crecheplan nacionalmente. Silvia e Lenira também atuaram na rede Ashoka. Sonia Correia, educadora e júri, convidou-os a vir ao Recife para ministrar palestras e workshops com o Grupo de Escolas Comunitárias representando 48 escolas do bairro. E Emilio Eigenheer, bolsista da Ashoka no Rio, solicitou a ajuda deles na organização de redes de creches como parte de seu trabalho.

Silvia Maria CarvalhoSilvia Maria Carvalho