Ismael Ferreira de Oliveira
BrasilAshoka Fellow desde 1990

Ismael Ferreira está trabalhando para tornar competitiva a indústria de sisal em declínio no Brasil e colocar mais lucros nas mãos dos muitos pequenos produtores. Cultivado no Nordeste seco, o sisal é uma cultura de rendimento resistente à seca que ajuda esses agricultores a permanecer em suas fazendas de subsistência.

A Pessoa

Ismael é filho de um sisal cultivador de Valente, município onde está sediada a cooperativa e onde foi construída a debulhadora. A economia local depende da produção de sisal. Ismael estudou contabilidade na escola secundária e trabalhou como gerente de cobrança em um banco de uma pequena cidade. Em 1981, Ismael foi trabalhar para o Movimento de Organizações Comunitárias, ou MOC, que se originou na igreja católica liberal da região, mas posteriormente dissolveu sua igreja afiliação. No MOC, Ismael desenvolveu projetos comunitários de geração de renda, como uma padaria e uma fábrica de sandálias. Ele agora dirige os projetos econômicos comunitários do movimento. Ismael também se tornou o primeiro gerente da Associação dos Pequenos Produtores da Bahia, com sede em Valente. Lá, ele prestou assistência técnica aos agricultores no armazenamento, moagem e comercialização do milho. Ele também começou a discutir com os produtores de sisal os problemas que estavam enfrentando para vender seu produto. Essas discussões produziram a semente para o funcionamento da cooperativa de exportação direta de hoje. Quanto ao futuro, Ismael diz: “Espero que esses movimentos populares não precisem de mim e cuidem de si mesmos. Espero estar lá para ver. . . Algum dia pretendo liderar outros movimentos. & Quot;

A Nova Idéia

O Brasil continua a ser o maior produtor mundial de sisal, mas a indústria está em declínio constante há décadas. Ismael planeja revitalizar a indústria por meio dos 600 mil pequenos produtores nordestinos que cultivam o sisal como principal safra comercial, mas carecem de autonomia e prosperidade. Esses agricultores já percorreram um longo caminho desde 1984, quando Ismael iniciou uma jornada de quatro anos pelo país. labirintos burocráticos para finalmente conseguir ganhar aos pequenos produtores organizados o direito de exportar seu sisal diretamente. Ismael também conseguiu verbas para o caro debulhador central de que a nascente cooperativa de produtores precisava para processar o sisal para exportação. Desde a construção do thrasher, os produtores & # 39; A receita média do sisal aumentou 14% e sua produção coletiva cresceu de 70 para 300 toneladas por mês. Isso ainda é pequeno em termos de exportação, mas a cooperativa agora tem compradores no exterior e um escritório e um corretor em Salvador, capital da Bahia. Esses são os primeiros passos em direção à autonomia para produtores que historicamente vendem para corretores para grandes exportadores interessados em pagar o mínimo possível. Além de vender diretamente para compradores no exterior, os pequenos produtores planejam fabricar mais produtos acabados, como cordas e carpetes. Ismael está procurando ativamente por novos mercados, recursos, aliados e suporte. Nessa pesquisa, ele encontrou situações propícias para links diretos produtor-comprador. Um desses novos compradores diretos é um importador peruano que antes comprava sisal brasileiro de Portugal. Ismael também espera construir uma aliança informal de pequenos produtores para pressionar conjuntamente por mudanças nas políticas, incluindo algumas para ajudar a indústria brasileira de sisal a se tornar mais competitiva globalmente. Para atingir esse objetivo, ele se encontra cada vez mais com pequenos produtores & # 39; organizações de outras culturas e outras regiões para compartilhar com elas os erros e vitórias da cooperativa de sisal. Ismael espera encorajar esforços semelhantes em todo o Brasil para dar aos pequenos produtores maior controle sobre seus meios de subsistência.

O problema

Um relatório de 1989 do governo do estado da Bahia deu uma indicação clara da direção em que a indústria de sisal do Brasil estava indo - milhares de hectares de campos de sisal foram abandonados enquanto o Brasil perdia para a competição da África e do México e para substitutos sintéticos. Ismael afirma que os grandes exportadores brasileiros não buscaram novos mercados ou usos, ou melhoraram a qualidade do sisal, e, portanto, perderam terreno para concorrentes estrangeiros mais progressistas. Ele também culpa a atual estrutura da indústria e as indiferentes grandes empresas por não conseguirem que o governo baixe os impostos ou garanta os preços como faz com o café, a soja e outras exportações. As empresas e empreendedores ambiciosos encontraram poucos motivos para investir neste setor, especialmente devido à histórica economia política da região, que durante séculos foi dominada por seus grandes proprietários de plantações. Os pequenos produtores têm o desafio adicional de tentar entrar em uma indústria de exportação há muito estabelecida que dificilmente está ansiosa por novos concorrentes, muito menos os concorrentes que ameaçam reduzir a influência que as empresas estabelecidas têm em relação a seus fornecedores de baixo custo. Os custos de infraestrutura, como transporte e processamento, podem ser altos. E a extrema complexidade da exportação é muito ampliada no Brasil: os meios de transporte e comunicação são antigos e incertos, a economia está instável e as regras e taxas de câmbio podem mudar repentinamente.

A Estratégia

Ismael pergunta: & quot; Se a África e o México podem manter e modernizar suas indústrias de sisal, por que & # 39; o Brasil não pode? & Quot; Ismael acredita que os pequenos produtores podem fazer isso se tornando uma força dentro da indústria por meio de uma cooperativa e, em seguida, pressionando o governo para ajudar a revitalizar a indústria por meio de políticas de exportação favoráveis e por meio de pesquisas de produto e mercado. Ele reuniu informações, por exemplo, sobre como os produtores africanos ganham US $ 1 bilhão por ano com a venda de um subproduto farmacêutico de sisal para países industrializados. Da mesma forma, o bagaço de sisal é cada vez mais visto como um combustível renovável para energia termoelétrica, mas dois terços do bagaço no Brasil não são aproveitados. Para dar mais atenção a essas questões, a cooperativa deve primeiro reunir forças. Hoje, um núcleo de mil famílias forma a cooperativa organizada por meio da Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Bahia. Eles se uniram para exportar sisal processado no thrasher coletivo. As famílias reinvestem na cooperativa e ainda ganham 14% a mais do que vendendo sisal individualmente. Após obter as credenciais de exportação para a cooperativa, o próximo desafio de Ismael foi entrar no mercado. Como muitas indústrias, o sisal é pesado no topo com grandes empresas com laços de mercado de longa data. Mas, por meio de questionamentos e pesquisas persistentes, Ismael descobriu os nomes e endereços de dezenas de importadores de sisal e escreveu a todos eles cartas descrevendo a cooperativa. Alguns manifestaram interesse e ele conseguiu um corretor para cuidar da papelada abaixo do custo normal. Ismael quer que a cooperativa funcione como qualquer grande exportador, sempre em busca de novos clientes, convidando compradores em potencial para uma visita, cultivando aliados nos círculos políticos e financeiros, estudando formas de expansão e reduzindo custos de forma constante, especialmente buscando vendas diretas produtor-consumidor , evitando assim comissões intermediárias. À medida que a cooperativa cresce e começa a fabricar produtos finais, tanto os produtores quanto os compradores devem se beneficiar de maiores economias de escala. Para atrair a atenção de mais pequenos produtores de sisal, o Ismael usa organizações rurais locais e a mídia local para divulgar notícias da indústria do sisal e envolver mais pequenos produtores na cooperativa. Ele também se baseia em seu histórico e contatos na comunidade e nos movimentos de pequenos produtores.