Laurie Nathan
África do SulAshoka Fellow desde 1991

Laurie Nathan, por meio da coleta e disseminação de informações especializadas para o maior número possível de tomadores de decisão, está construindo um centro que buscará moldar o papel que a polícia e os militares desempenharão no futuro da África do Sul.

A Pessoa

Laurie está ativamente envolvida na luta contra o apartheid desde que frequentou a Universidade da Cidade do Cabo (UCT) no final dos anos 1970, onde se formou em Ciências Empresariais e Direito, seguido de um Mestrado em Filosofia na Escola de Estudos da Paz da Universidade de Bradford. Ele foi Presidente do Conselho Representativo de Estudantes da UCT e Secretário Geral da União Nacional Não-racial de Estudantes da África do Sul. Ele também foi um membro fundador e por dois anos o organizador nacional da Campanha pelo Fim do Conscrição (ECC), que se opôs ao sistema de serviço militar obrigatório para homens brancos. Em 1988, o ECC foi banido e Laurie passou dois anos evitando a prisão; ele soube mais tarde que tinha sido um dos alvos de assassinato pelo esquadrão de ataque da SADF. Laurie é autora de Out of Step: War Resistance in South Africa, e co-editora com o Dr. Jacky Cock of War and Society: The Militarization of South Africa.

A Nova Idéia

Imagine uma força policial que atenda a todos os sul-africanos de forma eficiente e justa, independentemente da etnia e crença política, e que seja responsável tanto no nível parlamentar quanto nas bases. Imagine uma força de defesa armada defensivamente e que serve a um acordo de segurança regional da África Austral com base na cooperação, não no confronto, e opera com um orçamento menor do que o sistema atual. Esta é a visão do Projeto sobre Paz e Segurança (POPS), um programa que Laurie Nathan iniciou em 1991 para fornecer uma fonte confiável de conhecimento e ideias nessas áreas pouco compreendidas, complexas e bastante críticas para todos os envolvidos no esforço de construir uma nova África do Sul. Enquanto ativistas de direitos humanos e acadêmicos costumavam gastar seu tempo condenando a polícia e as forças de defesa, Laurie está na vanguarda de um esforço mais útil para construir alternativas práticas. O método de Laurie envolve pesquisa institucional e política cuidadosa e envolvimento sistemático e de construção de confiança com todos os atores-chave nos governos possíveis presentes e futuros, bem como com os estabelecimentos policiais e militares. No atual período de transição, o projeto atua como consultor de diversos partidos políticos na reorientação das forças de segurança e busca estimular a conscientização e o debate público em torno do tema.

O problema

Se a África do Sul deve emergir e permanecer democrática, se quiser se tornar uma sociedade civil de igualdade perante a lei, deve ter forças de segurança eficazes, totalmente responsáveis, comprometidas com a lei e de confiança. Dadas as várias gerações durante as quais a Polícia da África do Sul (SAP) e a Força de Defesa da África do Sul (SADF) foram as aplicadoras da desigualdade no dia-a-dia, recorreram a meios muito duros e por vezes ilegais e tornaram-se cada vez mais isolados dos Para o resto da sociedade, mudanças profundas são essenciais para que essas forças se tornem contribuintes, e não ameaças, para a nova África do Sul que está sendo construída agora com tanta esperança. Essas forças de segurança tiveram o trabalho de fazer cumprir o apartheid e defender o governo das minorias de desafios. Em seus esforços para conter os movimentos de libertação e reprimir a dissidência popular, o estado recorreu à intimidação, proibição, detenção, tortura, assassinato e sabotagem, bem como à força bruta contra manifestações e manifestações políticas. Nesse processo, a polícia e os militares adquiriram uma reputação desagradável em casa e no exterior, passaram a ser vistos como totalmente ilegítimos pela maioria dos cidadãos e se tornaram um alvo convidativo para ataques. O efeito na maioria das comunidades foi terrível. Sem segurança, sem mecanismos legítimos de resolução de disputas e, segundo consta, com o incentivo de conflitos de "terceira força", o medo floresceu. Esse papel também não foi saudável para as forças. Eles passaram a temer cada vez mais a maioria negra do país. Eles e suas famílias se retiraram para enclaves protegidos e murados. Eles desenvolveram as características dos residentes do gueto e estão isolados tanto quanto os residentes de qualquer município negro. E são, de fato, amplamente temidos e odiados pela maioria dos sul-africanos. A polícia e os militares, e especialmente muitos de seus oficiais superiores, não estão preparados para as mudanças atuais. Não é provável que se reformem, muito menos para fazer as mudanças fundamentais necessárias. Se eles não vão definir a agenda, quem mais é capaz de fazer isso? Afinal, são campos sofisticados e pouco compreendidos.

A Estratégia

Para influenciar as políticas de policiamento e defesa na África do Sul, Laurie acredita que deve: - Pesquisar cuidadosamente as realidades da África do Sul e a experiência de outras sociedades para ajudar a desenvolver propostas de reforma sensatas; - Estabelecer relações e obter apoio de especialistas internacionais reconhecidos nessas áreas; - Construir uma rede de analistas e ativistas que trabalham nessas áreas na África do Sul e iniciar colaborações cuidadosamente selecionadas; - Popularizar e testar propostas de políticas, submetendo-as à imprensa, publicações políticas e fóruns de base; e - Apresentar essas propostas a intelectuais e instituições importantes, desde o governo, passando por várias partes dos serviços de segurança, até o Congresso Nacional Africano (ANC), o provável futuro governo em potencial. O Projeto de Paz e Segurança de Laurie buscou todos esses objetivos em 1991. Seu conhecimento amadurecido do assunto se reflete no número crescente de artigos que está publicando. Eles aparecem na imprensa local e internacional, em jornais populares e também em revistas técnicas. Laurie também estabeleceu ligações com estudos estratégicos e institutos de estudos da paz no exterior, bem como com policiais e militares de alta patente. Além disso, ele foi fundamental na formação do Grupo de Pesquisa Militar e da Rede de Policiamento Progressivo. Ambas as iniciativas reúnem ativistas e pesquisadores que trabalham para o mesmo fim. Mais importante ainda, o projeto foi contratado para fazer relatórios para o Congresso Nacional Africano, seu braço armado "Umkhonto we Sizwe", o Partido Democrata e o Conselho de Igrejas da África do Sul. Também foi consultado em várias ocasiões por altos funcionários do governo e funcionários de segurança. Um testemunho da eficácia do POPS foi que, após o primeiro ano da sua existência, não conseguiu responder a todos os pedidos que lhe eram feitos pelos grupos políticos. Laurie, portanto, pretende expandir a capacidade do projeto em 1992, contratando pessoal de pesquisa adicional.