Shanta Thapalia
NepalAshoka Fellow desde 1991

Ashoka comemora e celebra a vida e o trabalho deste Ashoka Fellow falecido.

A Dra. Shanta Thapalia usa mentores com consciência de gênero para ajudar as mulheres nepalesas a se tornarem advogadas - um passo fundamental para conquistar maiores direitos legais e básicos para mulheres e crianças.

A Pessoa

Shanta vem de uma família brâmane de classe média do leste do Nepal. Em sua juventude, foi influenciada por sua avó e mãe, que a encorajaram a continuar seus estudos e lhe deram coragem para se revoltar contra o sistema tradicional de casamento infantil. Aos dez anos, em um vilarejo chamado Shatinager, Jhapa, ela fez um discurso em uma reunião de massa sobre a necessidade da educação feminina (os moradores queriam fechar a escola para as meninas). Shanta e seus amigos conseguiram inspirar outros a se juntar a eles nesta luta. No ano seguinte, a maioria das meninas da aldeia foi matriculada na escola pela primeira vez. A mãe de Shanta e um primo defendiam e financiavam seu ensino superior, apesar da forte oposição de seu pai. Ela obteve um mestrado na Universidade da Califórnia em Berkeley e mais tarde se tornou a primeira mulher no Nepal a ter um Ph.D. em direito pela Universidade de Delhi. Aos vinte e três anos, ela se casou com um médico que apoiou totalmente a conclusão de sua educação. Shanta publicou muitos livros e artigos que apareceram em vários jornais e revistas jurídicos sobre direito, mulheres e crianças. Ela fundou e atualmente é a diretora administrativa do LACC.

A Nova Idéia

O programa de mentoria de Shanta conta com advogados, juízes, funcionários do governo, professores universitários, assistentes sociais e outros membros da classe profissional emergente. O programa seleciona mulheres de áreas rurais pobres, geralmente remotas, e opera a partir do Centro de Assistência e Consultoria Jurídica da Tribhuvan University (LACC), uma organização privada sem fins lucrativos criada para a proteção e promoção da dignidade e do bem-estar de mulheres e crianças. Os mentores, cada um com uma jovem, estão especificamente interessados em questões femininas. Eles dão seu tempo e conselhos, guiando as mulheres pacientemente para além de cada barreira. A orientação deles desenvolve uma confiança, uma confiança que deve aumentar a matrícula feminina e reduzir o índice muito alto de evasão escolar das estudantes de direito. O programa tem várias implicações de reforma importantes: é um modelo para uma nova abordagem à educação jurídica no Nepal. Também ajudará a trazer mudanças sociais, forçando a comunidade a aceitar mulheres em níveis seniores na força de trabalho. Como estudantes de direito, essas mulheres passam a fazer aconselhamento, fornecendo assistência jurídica a mulheres pobres, desenvolvendo as habilidades dos alunos e, espera-se, um compromisso de servir que os guiará depois de se formarem. Nesse ínterim, esses estudantes de direito estão aumentando drasticamente a assistência jurídica disponível para as mulheres nepalesas.

O problema

O número de alunas matriculadas em cursos de direito está aumentando lentamente, mas ainda assim é de apenas 12%. No entanto, mesmo esse pequeno progresso é rapidamente perdido. Cinquenta por cento das estudantes de direito mulheres abandonam - uma taxa muito mais alta do que a taxa de evasão masculina. O número de mulheres graduadas em direito que então ingressam no Direito como profissão é insignificante. Mesmo com os vários tipos de carreiras potenciais abertas aos graduados em direito, as estatísticas mostram que quase nenhum se torna pleiteador. Segundo Shanta, eles temem entrar na profissão por falta de assertividade e familiaridade com o sistema jurídico e administrativo. Alguns esforços foram feitos em relação ao empoderamento geral das mulheres no Nepal, mas essa falha contínua na profissão de advogado ilustra o quão longe o país ainda deve ir.

A Estratégia

Inscrever jovens mulheres nepalesas em um curso de direito, mesmo com uma bolsa de estudos, claramente não é o suficiente. O salto é comprovadamente radical demais para a maioria, especialmente quando combinado com as pressões familiares para se casar, o desconforto da sociedade com as mulheres se afirmando e exigindo como os advogados devem e os maridos sentindo a necessidade comprovadamente de estar no controle. Além do mais, essas mulheres, especialmente as de fora de Katmandu, têm pouca familiaridade com as instituições exclusivamente masculinas com as quais os advogados devem lutar. Conseqüentemente, Shanta elaborou um programa que dá a mulheres jovens promissoras o máximo possível de apoio de pares e orientação comprometida por profissionais sensibilizados. Ela cristaliza esse apoio por meio de quatro suplementos aos cursos universitários tradicionais e restritos. Primeiro, seus alunos atuam como estagiários jurídicos, fornecendo assistência jurídica a mulheres pobres. Os alunos aprendem a lei e como aplicá-la na prática, ganham autoconfiança e desenvolvem compreensão e empatia por seus clientes. Em segundo lugar, os estagiários de Shanta, divididos em grupos de cinco, visitam escritórios importantes para a prática da lei, como o Land Revenue Office, Land Reform Office ou Office of Chief District Officer. Eles também visitam os tribunais para observar os procedimentos do julgamento. Terceiro, um programa de extensão busca conscientizar as mulheres sobre seus direitos legais. As alunas visitam vilas e comunidades próximas para disseminar informações sobre os direitos legais básicos relativos à poligamia, propriedade, direitos da criança, divórcio e outras questões relacionadas à família. Após este trabalho de campo, os alunos passam uma semana em diferentes escritórios de advocacia aprendendo sobre a preparação e apresentação de casos relacionados. Por fim, a programação "indoor" promove debates, palestras e painéis de discussão, potencializados pela troca de experiências pessoais, dentro do grupo. Os alunos também defendem casos que tratam de questões atuais de discriminação de gênero e direito da família em tribunais simulados amigáveis. À medida que essas mulheres se formam, Shanta espera que se tornem uma importante, talvez a mais importante, parte da liderança da longa e difícil luta das mulheres nepalesas pelo respeito e pela igualdade.