Maria Merlo
BrasilAshoka Fellow desde 1991

Maria Merlo Quarenghi, reconhecendo que trabalhar com crianças requer muito amor e tempo, mobilizou um grande movimento voluntário para trabalhar com crianças que já estão nas ruas e outras que correm o risco de acabar ali.

A Pessoa

Maria queria ser professora desde criança, crescendo na cidade de São Paulo. Ela se formou em filosofia e fez doutorado. em sociologia e desenvolvimento. Ela lecionou por vários anos na Universidade de São Paulo enquanto trabalhava na agência de planejamento urbano de São Paulo supervisionando uma equipe de quarenta profissionais. Quando ela se mudou para Curitiba, Maria se ofereceu para trabalhar com crianças de rua. Seu senso de organização empreendedor, motivador e criativo logo ficou claro e, menos de seis meses após sua mudança para Curitiba, ela estava à frente da iniciativa dos meninos de rua da prefeitura. “Eu tinha mais de mil filhos para cuidar e praticamente nenhum dinheiro - eu tinha que ser criativo. E acredito que minha formação profissional me ajudou a olhar para as possibilidades de maneiras não ortodoxas. para arrecadar fundos ou melhorar o futuro das crianças. "

A Nova Idéia

Há cinco anos Maria foi convidada para trabalhar com a esposa do prefeito no problema crescente dos meninos de rua em Curitiba, capital do Paraná. No início de 1991, esse mesmo prefeito de Curitiba foi eleito governador do Paraná - e um dos pontos fortes de sua plataforma foi seu programa para meninos de rua inspirado na experiência de sucesso dele e de Maria em Curitiba. Essa abordagem educa, treina, alimenta, veste, encontra emprego e fornece serviços médicos e odontológicos para um grande número de crianças em risco, praticamente sem nenhum custo para o governo. A chave do sucesso de Maria é o amplo apoio que ela obteve de muitos indivíduos e organizações de todos os aspectos da sociedade. Maria compreendeu, assim que começou, que trabalhar com crianças, especialmente crianças em risco, é inevitavelmente amoroso e trabalhoso. Isso é trabalho para voluntários, para a comunidade. É um trabalho para o qual as burocracias não combinam. Maria desenvolveu e dirige sua organização, ASSOMA, com contribuições financeiras de empresas e pessoas físicas e com trabalho voluntário de diversos segmentos da sociedade, de aposentados a estudantes, de senhoras abastadas a líderes de bairro. Essa abordagem é incomum no contexto brasileiro, onde há pouca tradição percebida de doações de caridade e trabalho voluntário fora da Igreja. "Muitas pessoas responderam negativamente. Disseram que não poderia ser feito, mas eu sabia que não era verdade - há tantas pessoas querendo ajudar, é apenas uma questão de canalizar seus recursos, habilidades e disponibilidade de forma adequada. Nós todos se beneficiam. " Agora Maria está usando uma rede de esposas de prefeitos do Estado do Paraná para divulgar seu modelo de voluntariado de base ampla a todos os municípios do estado. Particularmente, ela está ajudando a formar ASSOMAs regionais adaptados ao ambiente mais rural do interior do Paraná. Além de sua ajuda direta às crianças em risco, ela está trabalhando com grupos de agricultores e a poderosa rede de agricultura não química do estado para ajudar as famílias a encontrar maneiras de fazer um vida decente nas áreas rurais. “A maioria das pessoas quer ficar onde está se tiver alguma chance de ter uma vida decente. Migram para as cidades em desespero. Não têm habilidades para competir nas cidades, onde o desemprego já é alto. Eles sabem da falta de moradia e as ameaças ao futuro de seus filhos, mas eles não têm opções. " Enquanto ainda está construindo uma rede que envolve os cônjuges dos prefeitos como um recurso de convocação, Maria está cada vez mais trabalhando para transformar a ASSOMA em uma organização semelhante a uma fundação segura e independente. A ASSOMA poderá se concentrar cada vez mais no desenvolvimento e teste de serviços para as crianças que atende, tendo estabelecido uma base crítica de voluntários.

O problema

É notório o problema de milhares e milhares de crianças que passam os dias trabalhando nas ruas das grandes cidades brasileiras. Eles vagam pelas ruas vendendo jornais e chicletes nos semáforos, observando os carros estacionados por uma taxa, talvez pedindo esmola. De acordo com o estudo socioeconômico de Maria sobre as crianças de rua de Curitiba e seu ambiente, a maioria das crianças tem algum tipo de vínculo familiar e casa para a qual retornam periodicamente. Sua pesquisa também descobriu que a maioria deles frequentou a escola por pelo menos dois ou três anos, mas desistiu. O principal motivo que deram para abandonar a escola foi a percepção de que a educação não faria diferença em suas vidas nem melhoraria sua sorte no futuro. “Ao irem para a escola, abrem mão da renda presente, tão necessária para suas famílias, sem acreditar que vão compensar no futuro. E podem até estar certos: as escolas públicas convencionais são voltadas para preparar os filhos para o ensino superior. Há pouquíssimas oportunidades de treinamento vocacional com retorno após alguns anos de escolaridade. Eles preferem viver o dia de hoje, as recompensas imediatas da liberdade e o dinheiro que podem ganhar nas ruas. " Os governos federal e locais, ambos lutando com e como resultado da severa crise econômica do Brasil, têm sido incapazes de lidar com o crescente número de crianças que já estão nas ruas - muito menos de lidar com as raízes de seu crescente número e situação difícil. Centenas de grupos não-governamentais seculares e religiosos têm trabalhado com crianças de rua, mas muito poucos conseguiram resolver o problema. O sucesso geralmente se restringe a um número muito pequeno de crianças e está associado a um grupo liderado por uma figura carismática. À medida que o problema cresce, cresce também a reação negativa da classe média, que vê essas crianças como uma ameaça à sua segurança e um flagelo para a sociedade brasileira. Sem ver opções práticas, o brasileiro médio deseja que essas crianças desapareçam, e muitos brasileiros acreditam que elas deveriam ser confinadas em algum lugar onde não sejam uma ameaça para pessoas "decentes". Por outro lado, existem muitas pessoas que estão honestamente preocupadas e gostariam de ajudar contribuindo com sua energia, tempo e habilidade - e também com seu dinheiro. Infelizmente, em parte devido à longa ditadura militar que desencorajou a participação popular, praticamente não há organizações que saibam como colocar esses recursos para funcionar, ou como envolver a comunidade mais ampla, incluindo empresas, para promover sua causa.

A Estratégia

"Nosso objetivo final é reintegrar a criança à sociedade." diz Maria. “Queremos que eles voltem para a escola, voltem para suas famílias, sempre que possível, e consigam empregos que lhes permitam se sustentar. A ASSOMA deve ser uma ponte entre a situação disfuncional em que vivem e um ' vida normal." O primeiro passo no processo de reintegração é levar de volta à sala de aula essas crianças, algumas delas já adolescentes e há muito tempo fora da escola. Para atrair as crianças de volta à escola, a ASSOMA oferece alimentos, roupas e serviços médicos. Também oferece bolsas de estudo, dependendo do progresso da criança, para compensar a perda de renda que a criança teria ganho se tivesse ficado na rua. Maria relata que a maioria das crianças opta por manter esse dinheiro em contas de poupança especiais criadas pela escola e administradas pelas autoridades governamentais. "Muitos economizam porque querem continuar seus estudos. Isso nos deixa muito orgulhosos porque mostra que agora eles acreditam na educação e têm esperança de um futuro melhor." Esse futuro melhor é construído a partir de mudanças de longo prazo que às vezes são difíceis de detectar. A abordagem de Maria desencadeia essas mudanças mais profundas nas crianças - como atesta a história do novo prédio da ASSOMA. Ela desenvolveu autoestima e promoveu uma atitude "posso fazer" nas crianças: "As crianças sonhavam em ter um prédio lindo com vidro do chão ao teto. Todos diziam que éramos loucos, mas conseguimos! Conseguimos arquitetos voluntários para projetar uma escola com as crianças, e recebemos o terreno do município e material doado de empresas da cidade. As crianças construíram a escola que projetaram. Também a mantêm com orgulho - apoiada por um sistema de penalidades para quem quebrar ou sujar qualquer coisa . " A experiência de construir a escola também forneceu outras lições valiosas. As crianças interagiram com os doadores e voluntários, com um impacto muito poderoso em ambos os lados. Do ponto de vista das crianças, foi uma experiência estimulante quando elas sentiram que tinham uma palavra a dizer em um projeto importante. Tornou-se deles - não apenas mais um item de segunda mão. Os doadores e voluntários passaram a conhecer as crianças como indivíduos, o que aumentou substancialmente seu comprometimento. Como resultado, a ASSOMA agora tem uma política de que as doações só serão aceitas se o doador tiver visitado a escola e for "aprovado pelas crianças". "A interação humana é crítica. Quando um doador em potencial promete ao pequeno John roupas quentes, sabemos que ele virá através porque ele tem um compromisso pessoal com John e se sente responsável por seu bem-estar no inverno. " A compreensão e o uso habilidoso de Maria dos recursos disponíveis na comunidade permitiram que ela construísse uma organização autossustentável de grande escala e sucesso. Possui diversos subprogramas: um grupo de empresas é diretamente responsável pela formação profissional e pela colocação profissional; um grupo comunitário trabalha com famílias, tentando encontrar empregos para os pais e, eventualmente, levando os filhos de volta para casa; um grupo de jovens empresários montou um programa de mentoria de "irmão mais velho"; vários apoiadores próximos estão fazendo com que suas organizações estabeleçam campanhas do tipo United Way com contribuições descontadas da folha de pagamento. Maria também conta com a comunidade profissional de Curitiba para a institucionalização da ASSOMA. Por exemplo, o presidente aposentado do Banco do Brasil, após dois anos de envolvimento progressivo com a ASSOMA, agora se tornou seu diretor executivo, dando a Maria tempo para expandir sua visão e divulgar seu modelo pelo Paraná. As organizações de mudança social cidadã no Brasil são tão novas, devido ao longo período de proibição militar, que não conhecem as técnicas para mobilizar e engajar voluntários com sucesso. A maioria nem mesmo tem um conceito de que tais possibilidades existem. O sucesso de Maria é uma demonstração dramática e visível das técnicas e das possibilidades. Ela tem ajudado outras pessoas no Paraná a aprender com sua experiência e agora planeja, com uma série de outros Ashoka Fellows, trabalhar nacionalmente para ajudar essas organizações de cidadãos a aprender como construir amplas bases de voluntários de apoio ao cidadão, dinheiro, informação, etc.