Larry Castañares
MéxicoAshoka Fellow desde 1991

Larry Castanares está ajudando os mexicanos a apreciar a diversidade incrivelmente rica de vida selvagem e vegetação do país, um passo inicial necessário para construir um forte movimento de conservação.

A Pessoa

Larry é biólogo de profissão, com pós-graduação em ciências marinhas, bem como zoologia e ecologia marinha. Sua carreira incluiu passagens como professor universitário, instrutor de mergulho subaquático, cientista de pesquisa marinha e diretor de flora e fauna aquática no Ministério do Meio Ambiente. Enquanto trabalhava em seu Ph.D. tese entre os recifes de coral de Veracruz, Larry percebeu a extensão de sua destruição - o resultado direto e evitável da atividade humana. Ele decidiu deixar a academia em 1985 para lutar diretamente para preservar a grande parte do patrimônio biológico da Terra do México antes que fosse tarde demais.

A Nova Idéia

Quatrocentos e trinta e nove espécies de mamíferos vivem no México, mais do que em qualquer outro país do mundo, e sua flora é mais diversa do que a da União Soviética, um país 11 vezes seu tamanho. O México, na verdade, é um dos sete países que contêm entre 60 a 80 por cento de todos os organismos vivos da Terra. (Austrália, Brasil, Colômbia, Indonésia, Madagascar e Zaire são os outros.) A população do México, entretanto, desconhece esse legado e, conseqüentemente, pouco se preocupa com sua destruição. Larry está lançando uma série de projetos de comunicação para reverter isso. Por meio deles, ele busca "integrar o processo de conservação da natureza na vida cotidiana da sociedade mexicana". Desde a impressão de imagens da natureza no verso de embalagens de cereais até o início de uma escola de treinamento para guias da natureza e educadores ambientais para crianças em idade escolar na Cidade do México, Larry está transbordando de ideias para envolver o público como protetor do ameaçado habitat natural mexicano. Larry implementa essas ideias por meio do Programa Bioimagen, que ele fundou "para integrar a comunicação e a participação da comunidade com projetos de conservação da natureza".

O problema

O problema, segundo Larry, começa na escola. O currículo nacional trata de problemas ambientais, mas, como ele diz, "é mais informativo do que formativo - as crianças não são ensinadas a apreciar os valores estéticos, culturais, econômicos e ecológicos da natureza, nem a avaliar as diferentes alternativas ações para a solução de problemas ambientais ou de conservação da natureza. Por isso esses problemas continuam quando essas crianças se tornam adultos decisores. " Essa negligência põe em perigo uma das concentrações mais abundantes de flora e fauna do mundo. A União Internacional para a Conservação da Natureza registrou 2.870 espécies de plantas vasculares endêmicas para o México, 14% do total mundial. Um sexto deles está em perigo. Além disso, 77 espécies de mamíferos, 60 espécies de pássaros, 40 espécies de répteis e anfíbios e 40 espécies de peixes também estão ameaçadas de extinção, de acordo com estatísticas internacionais; não existe, até o momento, nenhuma Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção do México. A extinção de espécies decorre inexoravelmente da destruição dos ecossistemas dos quais dependem. Um exemplo: os pesquisadores estudaram 27.000 quilômetros quadrados da região de Chiapas-Tabasco-Campeche, no sul do México, uma área que inclui a Selva Lacandona e abriga seis das sete espécies de gatos selvagens encontrados na América do Norte. Eles descobriram que 60% da floresta tropical existente em 1974 havia sido perdida em 1986. A maior parte foi convertida em pastagem para o gado. Muito está em jogo e pouco tempo resta. No entanto, a maioria dos mexicanos ainda não se concentrou nesse problema, muito menos se preocupou o suficiente para agir. Os residentes da Cidade do México, por exemplo, reclamam da poluição, mas a maioria não entende os riscos profundos que eles e a cidade enfrentam. Problemas menos óbvios, como a extinção de espécies, passam despercebidos. Em última análise, essa insensibilidade é uma falha de educação e comunicação pública. O problema começa nas escolas, mas tem muitas causas contribuintes. Por exemplo, os melhores programas ambientais na televisão são normalmente produzidos em outros países e geralmente não tratam do ecossistema e da sociedade mexicana. Na medida modesta em que museus e zoológicos informam o público, eles tendem a fazê-lo isoladamente e sem envolver as pessoas na resolução ativa de problemas. Essas são algumas das oportunidades perdidas que Larry está se preparando para aproveitar.

A Estratégia

Larry começou elevando o perfil da preservação da natureza. Com notável sucesso, ele persuadiu as empresas a financiar e promover seus esforços: Kellogg's apresenta uma série de suas fotos e informações no verso de suas embalagens de cereais; Sabritas, uma produtora de batata frita, faz o mesmo. Larry usa a renda obtida com isso para promover mais uma série de imagens da natureza impressas nos bilhetes da loteria nacional. Ele sabe que apenas espalhar imagens visuais não é suficiente. Já experiente em montar um Museu de História Natural de baixo custo no estado do México, Larry está planejando outro em Yucatán, com exposições interativas sobre a biologia e ecologia da região e usos alternativos dos recursos naturais. Faz parte de sua estratégia envolver os jovens no conhecimento e na fruição da história natural. Larry está lançando uma nova dimensão de sua estratégia: ele está dando workshops às sextas-feiras em escolas da Cidade do México, que levarão a excursões na natureza aos sábados. Desde o início, ele planeja construir a primeira escola do país para guias da natureza. "Como você pode ter ecoturismo", pergunta Larry, "se não há guias da natureza competentes para administrá-lo?" Larry planeja abrir escritórios regionais da Bioimagen para que tais envolvimentos diretos no nível da comunidade possam alcançar áreas agora atendidas apenas por seus canais de audiência de massa, como rádio e as costas de sacos de batatas fritas.