Benno De Keijzer
MéxicoAshoka Fellow desde 1991

Ao ajudar os agentes comunitários de saúde a aprender como reconhecer e lidar com as formas mais comuns de problemas de saúde mental, Benno de Keijzer está levando ajuda urgentemente necessária a milhões de mexicanos gravemente enfermos e suas famílias em áreas ou com níveis de renda onde psiquiatras são extremamente raros. Nesse processo, ele estimula o desenvolvimento de um novo campo de atenção psicológica popular que escuta e incorpora as culturas locais e históricas e seus modos de pensar e lidar com a saúde mental.

A Pessoa

Benno nasceu no México de pais imigrantes holandeses. Ele inicialmente se formou como médico na universidade nacional. No entanto, ele ficou cada vez mais preocupado com a forma como a medicina poderia atingir a maioria desfavorecida e também com o possível valor da medicina tradicional. Esses interesses o levaram a realizar estudos em antropologia social. Depois de completar seus estudos, Benno trabalhou por vários anos de formação em educação em saúde na América Central, principalmente Costa Rica e Nicarágua. Ele voltou ao México permanentemente em 1982 e se envolveu com um grupo que atendia a comunidades populares na Cidade do México, ajudando-o a apresentar muitas das lições que havia aprendido anteriormente enquanto servia a algumas das comunidades mais desfavorecidas da região. A partir desta base, ele foi fundamental na criação da maior rede de PVOs de saúde popular do México, PRODUSSEP, onde atuou como Diretor Executivo. Aqui ele ajudou a cristalizar e difundir as metodologias eficazes que estão sendo desenvolvidas nas bases. A visão e o compromisso de Benno em levar cuidados de saúde mental eficazes para a maioria dos mexicanos se originam das várias vertentes principais de sua experiência de vida até agora - ver a urgência da necessidade nas comunidades rurais e urbanas e ter desempenhado um papel central na ajuda médica os trabalhadores aprendem como fornecer cuidados de saúde física adequados à maioria por meio da autoajuda da comunidade e do bom senso de ouvir com atenção seus clientes.

A Nova Idéia

Benno está trabalhando para preencher uma lacuna teórica - e muito prática - urgente na medicina comunitária, tanto no México quanto em toda a América Latina, a saber, a falta de um modelo apropriado para lidar adequadamente com a doença mental. - os profissionais aprenderam que o conhecimento médico não é do domínio exclusivo dos médicos com formação universitária e começaram a lidar eles próprios com um grande número de problemas de saúde; a mesma situação não se desenvolveu no domínio das doenças mentais. Benno, que desempenhou um O principal papel catalítico no desenvolvimento de um movimento popular organizado de saúde (médica) no México, propõe trazer cuidados de saúde mental eficazes ao alcance da maioria dos mexicanos. Embora reconheça que muitos aspectos específicos são diferentes, ele acredita que muitos dos princípios básicos em ação no movimento popular de saúde se aplicarão ao campo da saúde mental. Por exemplo, ele acredita que é essencial que as próprias comunidades locais aprendam a lidar com doenças mentais. O ponto de partida de Benno, portanto, é treinar promotores de saúde gerais locais como reconhecer e lidar com transtornos mentais. Para Benno, este é um processo de ouvir tanto quanto de treinamento. Provavelmente a longo prazo, o aspecto mais inovador de seu trabalho reside em sua abertura para incorporar a linguagem tradicional, categorias e técnicas de cura para doenças mentais em um quadro teórico mais amplo. Muitas vezes a medicina "moderna" descarta como ilógicas ou feitiçaria abordagens que têm sido eficazes, mas que vêm de formas de pensamento não aristotélicas. Especialmente na área da psicologia, os curadores devem se conectar com as mentes de seus pacientes nos termos do paciente para ter sucesso.

O problema

Embora existam poucas estatísticas confiáveis, a doença mental é um grande fardo para grande parte da população, seja como uma aflição direta ou indiretamente, já que a doença de uma pessoa afeta sua família, local de trabalho e comunidade. Uma vez que o México está agora em meio a uma rápida urbanização e mudança econômica estrutural (e deslocamento), os mexicanos estão enfrentando níveis mais altos do que a média de estresse e ruptura de estruturas de apoio essenciais, como a família. Como resultado, a incidência de doenças mentais está provavelmente acima da média global e aumentando. (Uma reunião recente de Ashoka Fellows em Cuernavaca com foco nos problemas da juventude mexicana traçou um quadro complexo de muitas comunidades diferentes. Ele começou resumindo muitos dos colapsos e fontes de desilusão que os jovens enfrentam, desde pais trabalhadores migrantes desaparecidos até desoladores perspectivas de emprego. Também relatou resultados perturbadores, como uma incidência elevada e sem precedentes de mães adolescentes solteiras em aldeias remotas nas montanhas.) Uma das razões pelas quais as estatísticas são tão alarmantes é que o problema da doença mental é difícil de medir. Não é como outras doenças mais facilmente identificáveis, pois pode assumir uma variedade de formas: insônia, ansiedade, depressão, vício, comportamento obsessivo ou histeria, para citar apenas alguns. A maioria dos estudos realizados tende a enfocar fenômenos concretos como suicídio, alcoolismo ou dependência de drogas. Os estudos iniciais de Benno, feitos em coordenação com outras OVPs de saúde, apontam para quatro áreas principais de doenças mentais que são bem adequadas para cuidados de nível comunitário: 1) Doença física com forte base psicossomática, como gastrite, colite, insônia, doenças de pele, dor nas costas, dor de cabeça. 2) Problemas familiares relacionados a conflitos emocionais entre casais e seus filhos. 3) Dependências, em particular ao álcool. 4) Ansiedade e depressão produzidas por problemas sociais e econômicos. Apesar da extensão e importância do problema, tentar levar cuidados de saúde mental para a maioria dos mexicanos é um terreno amplamente desconhecido. Embora o México tenha um movimento de saúde popular ativo e haja uma grande variedade de PVOs lidando com diversos aspectos da saúde da comunidade, a questão da saúde mental tem sido amplamente ignorada, com a exceção limitada da substituição de alguns remédios de ervas por antidepressivos e tranquilizantes. Conseqüentemente, Benno deve (a) desenvolver novas técnicas e (b) alcançar não apenas milhões de sofredores até então não ajudados, mas também expandir e mudar o pensamento primeiro dentro do movimento popular de saúde e depois de forma mais ampla entre os trabalhadores da saúde e formuladores de políticas. Para que o atendimento popular à saúde mental seja bem-sucedido, então, Benno deve primeiro desenvolver ferramentas simples, econômicas, culturalmente e psicologicamente apropriadas que "psicólogos descalços" locais possam usar. Ele então deve persuadir os clientes e os profissionais a aceitar essa combinação nova / velha. Enquanto os médicos, especialmente no movimento de saúde popular PVO, aprenderam a adotar categorias diagnósticas tradicionais eficazes, estruturas de pensamento e procedimentos e medicamentos, o mesmo não é verdade para psiquiatras e psicólogos. De um modo geral, os procedimentos ainda precisam ser trabalhados, a aceitação obtida e os cursos de treinamento para os trabalhadores de saúde das aldeias começaram.

A Estratégia

A primeira tarefa de Benno é desenvolver o suficiente de um corpo prático de especialização em fornecer cuidados de saúde mental com base na comunidade para iniciar um ciclo de experimentação, modificação e mais experimentação de base. Uma vez que esse processo seja estabelecido, ele produzirá mais e mais resultados, adeptos e experimentadores, e novamente mais resultados. Os benefícios de um processo semelhante já são aparentes no campo da saúde médica popular. Nos últimos anos, Benno coordenou uma série de workshops nacionais e centro-americanos com o objetivo de conscientizar, principalmente nos círculos médicos, sobre a necessidade de uma ampla ação de atenção à saúde mental. Embora úteis, eles sublinharam para ele a necessidade de desenvolver procedimentos específicos que os profissionais de saúde gerais locais pudessem realisticamente dominar e usar com eficácia. Conseqüentemente, ao longo dos próximos anos, ele dedicará grande parte de seu tempo para estabelecer um conjunto de tais meios práticos e uma estrutura teórica geral para lidar com distúrbios psicológicos no nível da comunidade. O mais rápido possível, ele traduzirá os resultados desses experimentos em materiais didáticos e manuais acessíveis e de baixo custo para promotores de saúde comunitários. Nesse ínterim, esses rascunhos de materiais ajudarão a enfocar os experimentos locais. Depois de testes, discussão e revisão, eles levarão essas reformas por toda parte. O desenvolvimento dessas ferramentas e de uma estrutura geral envolverá não apenas a pesquisa das diferentes perspectivas oferecidas pela psicologia, antropologia e sociologia cultural, mas também, e provavelmente mais importante e compatível, trabalhando juntos em pesquisa-ação com os promotores. Só assim, considera Benno, poderá ser elaborada uma proposta metodológica de formação de promotores de saúde mental que, por sua vez, terá ampla aplicação. Seu foco inicial está nos seguintes tópicos: identificação de padrões comuns de saúde mental precária, o papel do paraprofissional de saúde no tratamento de doenças mentais, um guia de aconselhamento, técnicas para ajudar a família e alcoolismo.