Jesús Michel Cuen
MéxicoAshoka Fellow desde 1991

Jesus Michel está assumindo o compromisso com os direitos humanos além do pequeno circuito de acadêmicos e ativistas. Ele está construindo o que descreve como "uma cultura de respeito pelos direitos humanos" entre os cidadãos menos informados que os incentiva e permite que se levantem contra os abusos que há muito têm sido seus.

A Pessoa

Jesus Michel nasceu na Cidade do México e estudou matemática aplicada por três semestres em uma das universidades particulares da Cidade do México. Jesus, então, foi trabalhar em um banco por um curto período, mas ver a constante miséria e exclusão dos desfavorecidos política e economicamente o inspirou a entrar no trabalho missionário como membro da Congregação dos Missionários do Espírito Santo. Estudou teologia e filosofia e exerceu trabalho pastoral durante 10 anos, até que, em 1986, decidiu dedicar-se às questões dos direitos humanos em tempo integral.

A Nova Idéia

Jesus fundou a organização Pueblo Nuevo (New People) na periferia sul da Cidade do México para acabar com a impunidade com que as autoridades e os cidadãos comuns violam os direitos humanos de outras pessoas. Pueblo Nuevo faz isso ensinando às pessoas quais são seus direitos e como defendê-los em termos práticos do dia a dia. Para quebrar os sentimentos de impotência em face do poder desenfreado e da corrupção desanimadora, Pueblo Nuevo mobiliza as pessoas em grupos. Em casos multivictim, como despejos em massa ou rusgas, Pueblo Nuevo organiza todos os envolvidos no caso para pressionar a polícia e o judiciário a investigar e levar os infratores aos tribunais. Nos casos em que apenas uma ou poucas pessoas estão diretamente envolvidas, Pueblo Nuevo incentiva amigos e vizinhos a acompanhar as vítimas que pressionam os casos resultantes. O grupo também formou uma rede de advogados do serviço público a quem eles referem queixas trabalhistas e civis, casos que estão fora da definição usual de direitos humanos, mas que eles consideram fazer parte da "cadeia de violações dos direitos humanos" que afetam o mais vulneráveis. Levantar-se é importante, mas Pueblo Nuevo usa uma ampla gama de abordagens, além de confrontar os violadores. Eles entendem que muitas violações ocorrem por causa de medos injustificados. Visto que esse equívoco mútuo é especialmente provável entre bairros pobres e a polícia, Jesus desenvolveu um programa especial para reunir membros da comunidade e a polícia para ajudar a superar a desconfiança e o mal-entendido tão comuns entre eles. Na zona de ação original de Jesus, as batidas policiais cessaram e as queixas contra a polícia diminuíram drasticamente. Os relatos de abusos sexuais e físicos em casa, no entanto, aumentaram, pois Pueblo Nuevo deixou claro que esses também são abusos dos direitos humanos e deveriam não ser aceito passivamente pelas vítimas. A demanda pelos serviços da Pueblo Nuevo excede em muito as capacidades da organização. Jesus sente que agora deve recrutar e treinar muito mais defensores dos direitos humanos nas comunidades, e este treinamento fornece a eles diagnósticos detalhados de tipos importantes de violações, incluindo aquelas que ocorrem dentro de casa.

O problema

O governo e a polícia há muito exercem um poder quase incontestável no México e frequentemente abusam dele. No ano passado, Pueblo Nuevo ouviu os seguintes casos contra a polícia: 15 detenções ilegais, 6 casos de tortura, 5 ameaças, 4 extorsões, 3 assassinatos, 3 sequestros, 3 feridos, 1 pessoa desaparecida e 1 despejo violento. Enquanto as pessoas acreditarem que a justiça está além de seu controle, elas terão pouco interesse ativo em entender exatamente quais são seus direitos. A maioria das comissões e centros que lidam com abusos de direitos humanos no México tende a ser composta por professores universitários e ativistas políticos bem-intencionados que vêem o problema à distância. Embora esses defensores dos direitos humanos sejam importantes em termos de mobilização da opinião pública e pressão sobre o governo, eles contribuem muito pouco no nível de base. Portanto, a maioria das pessoas não apenas desconhece os direitos que possui, mas também ignora que elas próprias cometem abusos, na maioria das vezes em casa. Cerca de um quarto das pessoas que vêm a Jesus em busca de ajuda o fazem por causa de problemas familiares, como abandono, violência familiar e abuso sexual.

A Estratégia

O primeiro passo para Jesus na construção de uma "cultura de respeito" pelos direitos humanos é a fase do "diagnóstico". Jesus realiza pesquisas para medir a compreensão das pessoas sobre seus direitos e para identificar os direitos que sentem estar mais ameaçados. Para obter respostas honestas e abertas, Jesus tenta fazer com que os entrevistadores sejam apresentados aos entrevistados por conhecidos em comum. Os resultados da pesquisa comprovam o problema: poucas pessoas estão bem informadas sobre quais são seus direitos. As pesquisas também ajudam a localizar as pessoas nas comunidades que desejam receber treinamento e se tornarem líderes comunitários nessa área. Jesus usa os resultados da pesquisa para ajudar a projetar novas estratégias, como a escola de treinamento para Promotores de Direitos Humanos que ele criou recentemente. Vinte alunos agora estão matriculados em um programa de um dia por semana, com duração de um ano, que os ensinará como liderar seus vizinhos na defesa dos direitos humanos e como ensinar o curso para outras pessoas. Ele também deu início a workshops mais curtos no bairro para ensinar às pessoas seus direitos e procedimentos simples que lhes permitirão se defender. Nessas oficinas, os participantes revisam os detalhes dos casos reais, identificando os aspectos que foram tratados corretamente e os que não foram. Se o caso ainda não foi encerrado, essas oficinas convidam os participantes da oficina para ajudar a desenvolver a estratégia do grupo para o caso e ajudar no trabalho. Para resolver o problema do abuso familiar, Jesus está criando um diretório de todas as instituições e procedimentos que existem no país que trabalham com famílias. Ele lista claramente onde uma pessoa ou família pode ir para obter ajuda com problemas específicos. Ele também está ampliando um programa de atenção à família que consiste em visitar as famílias em 10 sessões de duas horas para analisar juntos os mecanismos estruturais que perpetuam os abusos e como modificá-los. Esses membros da família também se familiarizam com o diretório de Jesus, técnicas de entrevista e outras ferramentas que os tornam um conselho eficaz para seus amigos e vizinhos. Pueblo Nuevo está ligada a 36 outras organizações não governamentais de direitos humanos que operam em âmbito nacional. Com muitos desses grupos, Jesus se envolveu em esforços colaborativos, como denúncias de abusos específicos, workshops e apoio aos casos uns dos outros. Jesus espera que esses links o ajudem a expor suas ideias a outras organizações, incentivando assim sua difusão por todo o México.