Pedro gabriel Godinho delgado
BrasilAshoka Fellow desde 1991

Pedro Gabriel Delgado, psiquiatra, está mudando a forma como os pacientes mentais são tratados no Brasil.

A Pessoa

Pedro passou a maior parte de sua vida profissional tentando proteger os direitos dos pacientes mentais e melhorar a qualidade de seu tratamento. Em meados da década de 1970, ainda na faculdade de medicina, trabalhou como voluntário em um hospital psiquiátrico. Ele viu em primeira mão o triste estado da assistência psiquiátrica no Brasil e se convenceu de que o confinamento deve ser evitado sempre que possível. Durante sua residência em psiquiatria, Pedro tornou-se ativo na defesa de pacientes & # 39; direitos. Ele foi demitido de um hospital psiquiátrico do Rio de Janeiro quando ele e outros oito médicos denunciaram as condições inadequadas do local. Desde então, ele trabalhou em várias clínicas públicas e privadas, lecionou psiquiatria em nível universitário, fez mestrado e agora está concluindo o doutorado em medicina preventiva. Pedro não apenas tem sido a força motriz por trás da nova lei brasileira que regulamenta os serviços de saúde mental, mas também ajudou a fundar vários grupos importantes que buscam realizar reformas fundamentais no sistema de saúde mental do Brasil: o Movimento Nacional de Profissionais de Saúde Mental, o Departamento de Saúde Mental do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro e a Rede Internacional de Alternativas à Psiquiatria. Na última década, esses grupos tentaram estimular um debate entre pacientes e ex-pacientes, profissionais de saúde, funcionários do governo e parentes de pacientes mentais para chegar a uma maneira mais humana e eficaz de tratar pacientes internados em instituições psiquiátricas privadas e públicas .

A Nova Idéia

Um antigo defensor dos pacientes mentais & # 39; direitos humanos, Pedro tem sido o motor de uma nova lei, que deverá ser aprovada este ano, que regulará melhor o sistema de saúde mental do país para acabar com os atuais abusos generalizados. Uma disposição fundamental da lei exige que um defensor público do governo seja notificado no prazo de vinte e quatro horas sobre a internação involuntária de uma pessoa em uma instituição para doentes mentais. O defensor público deve entrevistar médicos, familiares e outras pessoas para determinar se o compromisso da pessoa é garantido. A lei também proíbe a criação de hospitais psiquiátricos adicionais em favor da criação de uma rede de alternativas de cuidados de saúde mental, incluindo internações hospitalares de curta duração (setenta e duas horas), tratamento diurno e arranjos de moradia em grupo supervisionados. & quot; Esta lei representa mais do que um simples progresso, & quot; diz Pedro. “Significa uma mudança radical para melhor.” Com base nesse sucesso, Pedro e outros profissionais criaram um grupo chamado SOS-Direitos Humanos para o Paciente Psiquiátrico para fornecer proteção 24 horas por dia para pacientes mentais. Uma secretária em tempo integral receberá reclamações sobre negligência médica, abuso físico e sexual e encarceramento injustificado de pacientes. A secretária entrará em contato com um psiquiatra SOS de plantão que investigará as reclamações e pressionará as autoridades para intervir quando necessário. O grupo divulgará casos graves à imprensa. Também realizará uma campanha de informação, dirigida ao público em geral e aos profissionais de saúde, para eliminar os estereótipos sobre os doentes mentais e divulgar alternativas aos cuidados institucionais tradicionais. A SOS também planeja manter contato próximo com políticos, advogados, juristas e organizações de direitos humanos para garantir uma investigação rápida de qualquer suspeita de abuso.

O problema

Como em muitos outros países, os hospitais psiquiátricos do Brasil muitas vezes serviram como repositório para muitos que, se oferecidas formas alternativas de tratamento, poderiam evitar longos períodos de hospitalização. Cerca de 110.000 pessoas estão internadas em clínicas públicas e privadas, e outras 30.000 pessoas recebem tratamento de um tipo ou outro, ou aguardam vaga disponível em um hospital. Durante a década de 1960, o governo militar então no poder criou incentivos para a abertura de hospitais privados. Eles se ofereceram para compensar os hospitais por paciente pela internação de pessoas que, de outra forma, seriam tratadas em hospitais do governo, onde os leitos eram escassos. O sistema incentivou os hospitais privados a não tratar e dispensar com eficiência os pacientes mentais que precisam apenas de cuidados de curto prazo, mas a mantê-los o maior tempo possível. Hoje, oitenta por cento de todos os pacientes mentais no Brasil são tratados em instituições privadas, que são reembolsadas pelo governo. Em vários casos, os pacientes passam de quinze a vinte anos confinados a uma instituição mental sem motivo algum. & quot; Todas as clínicas privadas tentam manter suas camas ocupadas o tempo todo, & quot; Pedro diz. “A ênfase está em manter o paciente ali, e não em ajudá-lo a se reintegrar ao mundo. Essa atitude da clínica privada tem dominado as atitudes oficiais em relação aos cuidados de saúde mental no Brasil há anos. & Quot;

A Estratégia

Pedro sabe que as leis por si só não garantem a melhoria dos cuidados de saúde mental. Por isso Pedro acredita que é tão importante construir o programa SOS-Direitos Humanos do Paciente Psiquiátrico. A SOS, que está operando com um orçamento apertado, planeja instalar um pequeno escritório que transmitirá chamadas de emergência para quatro médicos que carregam bipes de mensagem em seus cintos o tempo todo. Eles formarão o núcleo da linha direta 24 horas por dia. Além disso, uma rede de ativistas de saúde mental relatará abusos à imprensa, enviará cartas de protesto a funcionários públicos defendendo casos individuais ou pressionando por mudanças nas políticas, e publicar um boletim informativo regular com informações sobre os avanços no tratamento da saúde mental. O grupo também atuará como vigilante para garantir que novas disposições legais sejam implementadas, como a que exige que um defensor público aprove a institucionalização involuntária. Pedro espera também fortalecer o Instituto Franco Basaglia, do qual é fundador e presidente, que organiza debates e discussões sobre questões de saúde mental. & quot; Já existe um debate muito importante em andamento sobre como os serviços de saúde mental devem ser mudados, & quot; Pedro diz. "Quanto mais estimularmos esse debate, mais rápida será a mudança e mais prontamente a sociedade a aceitará."