Adalberto Sigismundo Eberhard
BrasilAshoka Fellow desde 1991

Adalberto Eberhard, veterinário e conservacionista de longa data, está mostrando como o movimento ambientalista pode construir um conjunto de instituições em nível estadual que irão, ano após ano, realmente proteger o meio ambiente. No processo, ele está construindo defesas para um dos maiores e mais ricos pântanos do mundo: o Pantanal brasileiro.

A Pessoa

O pai de Adalberto deixou a Alemanha para viver em meio à natureza, especificamente em uma floresta gaúcha. Conseqüentemente, Adalberto cresceu cercado pela floresta e seus habitantes e pelo excepcional sentimento e compreensão de seus pais pela natureza. Treinado como um veterinário especializado em animais selvagens, Adalberto trabalhou com o zoólogo alemão George Shaller na década de 1970 pesquisando a onça pintada no Pantanal . Enquanto se dedicava a esse trabalho, Adalberto morou em uma pequena cabana no meio de seu vasto pantanal, experiência que lhe permitiu se familiarizar com seu delicado ecossistema. No momento em que amadurecia sua compreensão e apreciação do Pantanal, começaram as pressões sobre ele. para montar. Novas rodovias cortam o Mato Grosso e por elas fluem cada vez mais pessoas e gado. Adalberto respondeu criando uma fundação para proteger o Pantanal. Mais tarde, ele fez lobby com sucesso e ajudou a projetar e lançar a agência ambiental do estado e seu movimento ambientalista.

A Nova Idéia

Discursos, artigos, até mesmo vídeos e conferências internacionais não protegem, em última instância, o meio ambiente. Um maquinário complexo de pesquisa, regulamentos, monitoramento, inspeções e fiscalização é essencial. Grande parte dessa máquina deve ser fornecida pelo governo, mas para que isso aconteça, deve haver apoio político adequado. A contribuição mais importante de Adalberto é mostrar como os amigos do meio ambiente podem criar tal máquina contínua e eficaz em nível estadual. Apesar de ser do sul do Brasil, ele optou por trabalhar no Estado de Mato Grosso. É um estado de excepcional importância ambiental: sua área central inclui as cabeceiras de importantes rios que correm ao norte para o Amazonas e ao sul em direção ao Paraguai e Argentina; inclui também o extraordinário Pantanal. Mas os problemas econômicos do Brasil levaram mais pessoas e gado para o oeste nesta região sensível, ameaçando perturbar o equilíbrio ecológico. De sua posição independente como chefe da Ecotropica, o grupo de cidadãos privados que ele criou, Adalberto pesquisa as necessidades ambientais do estado, define os problemas e soluções possíveis, constrói compreensão e apoio público, e define e constrói coalizões políticas pró-meio ambiente ativas, questão por questão. Uma das principais prioridades de Adalberto é o Pantanal. O Pantanal brasileiro cobre uma área de aproximadamente 96.000 milhas quadradas (vinte vezes o tamanho do Everglades da Flórida) no meio-oeste brasileiro. É o lar de centenas de espécies de mamíferos e répteis, incluindo onças e jacarés. Lá vivem mais de 600 espécies de pássaros, muitas delas encontradas apenas no Pantanal, como a ameaçada arara-azul, o maior papagaio do mundo.

O problema

A rápida urbanização do Brasil e a abertura igualmente agressiva de sua fronteira estão criando sérios problemas ambientais; o país, tendo começado a suspeitar que nem tudo vai bem, começa a buscar instituições que lhe dêem proteção tecnicamente competente e confiável. Existem poucos grupos de cidadãos ou agências governamentais no momento que possuem as habilidades técnicas exigidas pelos complexos desafios ambientais que o Brasil enfrenta. O número de pesquisadores, inspetores e fiscalizadores é insuficiente, dada a escala do país e dos problemas. O Pantanal é um bom exemplo de porque o campo ambiental precisa de instituições, públicas e privadas, que possam trazer grande profundidade analítica e técnica. e isso pode ser um problema por anos. O Pantanal foi ocupado por séculos. Os índios foram acompanhados pela primeira vez por exploradores em busca de ouro ao longo das margens do rio. Em seguida, pequenos agricultores e pecuaristas se estabeleceram ao longo dos muitos rios da área para fornecer alimentos para os exploradores. Suas operações em pequena escala fizeram pouco para perturbar o ecossistema. Mesmo quando os fazendeiros começaram a trazer centenas de milhares de cabeças de gado, o Pantanal não foi tributado excessivamente, pois existiam muitas terras de pastagem sem árvores. Nos últimos anos, no entanto, a agricultura e a pecuária aumentaram dramaticamente, inclusive em grande escala. pecuária e enormes fazendas de soja com alto teor de produtos químicos. A resultante erosão das margens e a contaminação dos rios por inseticidas e herbicidas atingiram níveis alarmantes. Além disso, os garimpeiros, ou garimpeiros autônomos, em busca de ouro e diamantes, destroem as margens dos rios explodindo-as com poderosos jatos d'água e contaminam as águas com mercúrio. “Alguns rios que antes eram navegáveis agora podem ser atravessados a pé, sem molhar os joelhos”, diz Adalberto. “As implicações para a navegação são claras e o efeito da água fortemente sedimentada na piscicultura pode ser estimado, mas ninguém sabe o que acontecerá com o ciclo de cheias único do Pantanal se os rios continuarem sofrendo esta agressão.” O governo, reconhecendo a importância do Pantanal, estabeleceu um parque nacional e uma estação ecológica que protegem 10.000 milhas quadradas, dez por cento do Pantanal. No entanto, os noventa por cento restantes são propriedade privada. “Se não agirmos rapidamente para convencer os proprietários e as pessoas que trabalham na terra a conservá-la, todo o ecossistema pode ser destruído”, diz Adalberto. "É por isso que o trabalho de educação que a Ecotropica está fazendo é tão crítico."

A Estratégia

Nesta fase do desenvolvimento das instituições ambientais do estado, Adalberto e Ecotropica sentem que podem atingir o máximo impacto, estimulando muitos outros a se envolverem, especialmente funcionários do governo. “O primeiro passo”, diz Adalberto, “é fornecer informações. Na Ecotropica, queremos disponibilizar informações de uma forma que possam ser usadas por todos - desde o pescador até os trabalhadores rurais do governo que devem garantir que o as leis de conservação são respeitadas. ”Recentemente, a Ecotropica começou a realizar seminários de treinamento para funcionários do governo, bem como para advogados e representantes de organizações de cidadãos. Esse treinamento, o primeiro do tipo, é vital, especialmente para os trabalhadores comunitários, muitos dos quais não são bem versados em leis de conservação ou nos problemas específicos que o Pantanal enfrenta. Os agentes comunitários são um elo importante entre o governo e o campo: se um cidadão reclamar a um órgão do governo sobre uma queima ilegal ou a destruição deliberada de uma margem de rio e nenhuma ação for tomada, ele ou ela pode entrar em contato com um agente comunitário que pode incitar o órgão competente a fazer com que essas reclamações sejam atendidas. Encontrar e demonstrar novas soluções econômicas é a segunda grande contribuição que Adalberto pode dar agora. A Ecotropica, por exemplo, espera apresentar aos residentes locais atividades alternativas de geração de renda, como o cultivo de variedades nativas de peixes, sapos e camarões de água doce; o cultivo manejado de jacaré, capivara (um grande roedor cuja carne é muito valorizada) e animais ornamentais; e o plantio de certas espécies de árvores com madeira especialmente valiosa. A Ecotropica também quer desenvolver diretrizes para o ecoturismo - com o duplo objetivo de geração de renda e educação. Os programas de rádio terão outra parte importante desta campanha educacional, fornecendo informações de interesse específico para os residentes locais, incluindo pescadores, mineiros, fazendeiros, professores, agentes de extensão agrícola, veterinários e outros.