Rogelio Cova Juarez
MéxicoAshoka Fellow desde 1991

Rogelio Cova, um dos fundadores do movimento PVO do México, está trabalhando para fortalecer os elos mais fracos do movimento ambientalista emergente do México: o governo local e as organizações comunitárias.

A Pessoa

Rogelio foi um dos primeiros pioneiros da sociedade civil e do movimento PVO no México. Ele começou sua carreira introduzindo clubes de jovens nas áreas rurais do país. Ele criou a organização "3T", cujos programas trouxeram uma mistura de recreação para seus jovens membros e benefícios econômicos para seus pais. Depois de trabalhar em vários projetos de desenvolvimento comunitário, foi eleito presidente municipal de Lázaro Cardenas, Thaxcala, onde fundou as primeiras escolas primárias e secundárias do município. Em 1983, Rogelio lançou sua segunda grande inovação nacional, SEDEPAC, dedicada a promover a conservação do solo entre os camponeses do México. Em 1988, a doença o forçou a se aposentar por vários anos. Agora recuperado, ele está lançando uma terceira grande contribuição para a sociedade. Já que Rogelio está muito além do lançamento de sua primeira grande ideia, Ashoka o elegeu um membro, não um companheiro. Os membros são empresários públicos que já marcaram presença na história. Muito raramente a Ashoka ajuda os membros financeiramente, uma vez que já passaram da fase de decolagem. A irmandade abriu uma exceção no caso de Rogelio, pois ele está lançando uma nova ideia após uma aposentadoria por doença. Rogelio tornou-se membro da Ashoka Fellowship em 1990.

A Nova Idéia

A última meia década viu o México se tornar cada vez mais consciente de seus crescentes problemas ambientais. Legislações como a Lei Nacional de Equilíbrio Ecológico de 1987 encorajaram os ambientalistas. No entanto, a conscientização e mesmo a ação em nível nacional ainda não levaram a mudanças nos níveis estadual e local. Uma vez que a maioria das decisões ambientais concretas são tomadas em nível local, o meio ambiente continua a se deteriorar rapidamente. Rogelio planeja ajudar as comunidades locais a desenvolver a compreensão, o desejo e as habilidades de que precisam se quiserem enfrentar os muitos desafios ambientais que enfrentam. Somente quando as autoridades locais e os cidadãos podem falar com conhecimento sobre as causas e efeitos do desmatamento e sobre os níveis de pH nas águas subterrâneas de uma área, eles podem reconhecer que o sistema de água que os sustenta está caindo aos pedaços. Mesmo assim, eles devem saber mais para serem capazes de descobrir as formas mais sensatas e justas de deter e reverter o dano. Eles também devem desenvolver habilidades para trabalhar juntos - resolver os problemas analiticamente, por um lado, e negociar uma divisão justa dos fardos, por outro. Nada disso chega às pessoas de forma automática ou fácil, muito menos às comunidades, onde muitas mentes devem pensar juntas. Rogelio está desenvolvendo uma abordagem que ele espera que permita às autoridades locais e à sociedade civil aprender rapidamente como analisar os problemas ambientais que enfrentam e como trabalhar em conjunto. Trabalhando no nível municipal, ou "biorregional", sua abordagem reúne os diferentes elementos da comunidade em um programa integrado de educação que leva diretamente à ação conjunta. Os chefes de ejidos locais, organizações cívicas, escolas e autoridades municipais se reúnem em um grupo de trabalho que gradativamente delineia todos os problemas ambientais da região e prioriza tanto essas necessidades quanto as possíveis ações corretivas. Esses pequenos (normalmente 20) grupos de trabalho representativos, com a ajuda de Rogelio e seus colegas, trabalham gradualmente em direção ao consenso. Nesse processo, Rogelio busca construir seu orgulho cultural - e, portanto, um senso de responsabilidade por cuidar do que é deles. À medida que o consenso se desenvolve neste grupo central, Rogelio trabalha para trazer a comunidade mais ampla também. Ele encoraja o comitê a usar a rádio local para explicar seu pensamento. Uma van ecológica móvel, ou "escola", e acampamentos especiais de três dias para grupos de até 21 jovens fortalecem ainda mais esse esforço educativo mais amplo.

O problema

Os problemas ambientais do México são internacionalmente conhecidos. Uma capital com ar tão ruim que às vezes mata pássaros migratórios que passam no alto, está consumindo seu suprimento de água subterrânea tão rapidamente que não haverá mais nada em 10 anos. Historicamente, um dos seis habitats mais ricos em espécies do mundo, está cortando suas florestas e vendendo sua vida selvagem de forma tão incontrolável que em breve pouco restará. Fluxo de fluxos de resíduos cada vez mais crescentes ninguém sabe para onde. No estado natal de Rogelio, Thaxcala, 35% do solo está gravemente degradado. A estratégia geral é importante. No entanto, nada acontecerá a menos que as comunidades locais aprendam muito rapidamente e tomem a iniciativa. Em última análise, os grandes planos nacionais de gestão de resíduos pouco adiantarão, a menos que centenas de municípios administrem bem os resíduos que geram. Isso requer reconhecer a necessidade e então agir. Isso, por sua vez, quase sempre exige que eles mordam uma bala política dura, por exemplo, localizando uma instalação de tratamento de resíduos perto de alguém. Fazer cumprir os padrões nacionais contra a população local não é muito mais fácil.

A Estratégia

O plano de Rogelio é direto - fazer com que sua abordagem de "educação e ação" funcione em três comunidades em Thaxcala. Ele irá preencher e refinar sua abordagem à medida que ganhar experiência. Mais importante, as demonstrações bem-sucedidas lhe darão os argumentos persuasivos de que precisa para persuadir o governo e outros a aplicar a abordagem amplamente em todo o país, seu objetivo final. A primeira comunidade onde Rogelio começou a aplicar sua abordagem é Espanita. A primeira reunião do grupo de trabalho produziu com sucesso um plano de ação municipal de 12 meses, lidando principalmente com lixo, erosão e desmatamento. O programa piloto Espanita teve vários sucessos notáveis na mobilização do público em geral. Por exemplo, um grupo de alunos do ensino médio decidiu dar um forte empurrão de apoio à decisão do município de lidar efetivamente com os resíduos. Entre outras coisas, eles organizaram uma conferência liderada por um engenheiro conceituado e com a participação de representantes de sete municípios, indústrias, entidades educacionais e grupos comunitários.