Monajat Uddin
BangladeshAshoka Fellow desde 1991

Ashoka comemora e celebra a vida e o trabalho deste Ashoka Fellow falecido.

Monajat Uddin é um repórter de base rural que está modernizando o campo do jornalismo em Bangladesh.

A Pessoa

Monajatuddin cresceu nas aldeias. Quando ele tinha quatorze anos, seu pai morreu e, como o mais velho de seis filhos, ele assumiu a responsabilidade pela família. Para conseguir que seus irmãos estudassem, ele teve que pedir demissão e trabalhar como encadernador, mascate e professor. Eventualmente, ele descobriu que o jornalismo era a profissão que mais se adequava aos seus interesses. A força e a determinação que se formaram em sua difícil adolescência o levaram a fazer perguntas difíceis e ver novas possibilidades para sua nova vocação.

A Nova Idéia

Monajat é um jornalista rural em atividade. Ao longo de vinte anos, ele desenvolveu um método de reportagem de base investigativa, exclusivamente detalhado, que ele chama de "relatório de situação". Monajat mergulha nas comunidades sobre as quais escreve, mas mantém um distanciamento imparcial ao coletar dados objetivos extensos para seus relatórios. Este método permite que ele não apenas escreva em profundidade sobre as condições socioeconômicas, mas também apresente aos seus leitores uma compreensão rara das realidades que os aldeões de Bangladesh enfrentam, tanto naturais quanto artificiais, e como eles percebem e se sentem sobre suas vidas. O relato da situação é essencialmente uma blitzkrieg jornalística. Monajat aparecerá de repente em uma aldeia e se estabelecerá na casa de um aldeão comum como hóspede pagante. Após um período inicial vagando pela aldeia e seus campos, sondando uma ampla amostra dos residentes para detectar problemas, ele recruta e treina uma equipe de dez ou mais jovens aldeões educados para conduzir um programa de entrevistas extenso e vigoroso após um conjunto de perguntas que ele se desenvolveu. Esta lista geralmente cobre tópicos básicos como saúde, renda e posse de terra atual e anterior. Em seguida, expõe os fatos em torno de quaisquer questões que Monajat planeja para tornar o foco de suas próximas histórias. Como os aldeões responderam ao novo programa de planejamento familiar? Por quê? O que realmente aconteceu com os fundos de ajuda às enchentes? E assim por diante. Enquanto seu exército de voluntários está entrevistando, ele também. Ele busca cuidadosamente todos os lados - aqueles com e sem terra, funcionários do governo, donas de casa, etc. No entanto, como ele tem seus voluntários, ele pode fazer um trabalho completo de coleta de fatos em dois dias, em vez das duas semanas que estima que faria caso contrário, leve-o. Usar jovens locais também serve a vários outros propósitos importantes. Ele protege contra qualquer coisa importante que permaneça oculta por muito tempo. Faz com que um grupo de jovens mais capazes e conscientes da aldeia olhe atentamente e pense sobre o que está acontecendo em sua comunidade. Com efeito, o processo permite que Monajat segure um espelho para a comunidade que visita, o que nem sempre é uma visão confortável. Semana após semana, Monajat insere no pensamento do país suas imagens factuais e discretas da realidade onde é mais importante. Os relatórios estão começando a ter um impacto mensurável: a nova legislação sobre casamento infantil é uma mudança que pode ser atribuída em grande parte à influência de Monajat. A área em que Monajat gostaria que sua influência fosse sentida, no entanto, é no próprio campo do jornalismo, especialmente no jornalismo rural. & quot; O jornalismo rural em Bangladesh não é uma profissão adequada, & quot; ele diz. “Eu sonho em mudar isso. Os jornalistas rurais agora simplesmente relatam eventos - uma epidemia ou uma colheita decepcionantemente pequena. Quero que eles estejam cientes das mudanças sociais e familiares que estão ocorrendo. & Quot; Para causar esse impacto, Monajat quer expandir seu acolhimento informal, embora cada vez mais frequente, de colegas visitantes que vêm ver sua técnica em ação. Para alcançar os cinco mil repórteres rurais do país, ele está pensando em um programa formal de aprendizagem presencial apoiado por uma série de publicações.

O problema

A maior parte do jornalismo em Bangladesh e, por falar nisso, em grande parte da região parece ter sido retida desde o século XIX. As histórias relatam as idas e vindas de grandes personalidades, sobre seminários e encontros e, principalmente, sobre movimentos políticos. A massa da população fica sem rosto e sem voz. Em parte, isso ocorre porque o jornalismo está apenas começando a surgir como profissão. Seus membros normalmente não foram treinados especificamente para o trabalho e, portanto, têm apenas uma noção vaga da oportunidade e responsabilidade que é deles. Mesmo assim, a necessidade do país por um bom jornalismo rural é enorme. Oitenta e cinco por cento dos bangladeshianos vivem nas áreas rurais, que estão longe das elites políticas do país. Mais do que qualquer outra profissão, o jornalismo pode preencher esse abismo.

A Estratégia

A estratégia de Monajat para ajudar Bangladesh a desenvolver uma marca de jornalismo mais moderna e socialmente consciente se divide em duas partes: amplo alcance e treinamento direto. Para tornar seu modelo mais visível, Monajat publicou recentemente uma coleção de seus relatórios em forma de livro e já vendeu mais de 3.000 cópias. Sua produção contínua de reportagens provocativas também se espalhará, e ele dá palestras de boa vontade em fóruns como o Bangladesh Press Institute. Provavelmente o mais importante é que ele dedica seu tempo livremente para ajudar seus colegas a compreender e dominar suas técnicas. Eles são sempre bem-vindos como aprendizes ou observadores em suas varreduras de situação, e cerca de vinte o fizeram em 1990. Ele também responde de boa vontade a iniciativas para ajudar colegas com suas histórias em outros lugares. Destas abordagens de treinamento, Monajat tem mais confiança em fazer isso juntos no formato de aprendiz. Ele espera sistematizar e expandir para que possa acomodar os números maiores que espera atrair nos próximos anos.