Geraldo Santos Marinho
BrasilAshoka Fellow desde 1987

Ajudar as comunidades pobres a opinar sobre seu próprio desenvolvimento

A Pessoa

Geraldo é arquiteto de 28 anos formado pela Universidade Federal de Pernambuco. Ele deixou um emprego no governo em 1985 para fundar a ARRUAR e se dedicar a servir as comunidades pobres do Brasil.

A Nova Idéia

Para fornecer assistência técnica e jurídica às comunidades pobres que irá (1) educá-los sobre os efeitos potenciais em suas vidas de projetos de desenvolvimento e (2) ajudá-los a garantir as necessidades básicas, como habitação, sistemas de saneamento, etc. para si mesmos, sem depender de limitações , muitas vezes falhos, programas governamentais

O problema

Projetos de desenvolvimento aprovados ou supervisionados pelo governo brasileiro geralmente têm consequências negativas para as comunidades pobres. Por exemplo, projetos de construção de barragens podem resultar no deslocamento de milhares de pessoas ou na destruição de economias baseadas na pesca; os esquemas de desenvolvimento urbano são freqüentemente mal administrados e não incluem consultas às comunidades que serão afetadas pelo desenvolvimento. Essas comunidades são incapazes de expressar sua divergência ou de propor planos de desenvolvimento alternativos porque seus habitantes muitas vezes carecem da educação necessária para compreender os efeitos potenciais dos projetos de desenvolvimento em suas vidas. Além de serem deficientes em suas negociações com o governo, as comunidades carentes carecem de recursos técnicos e know-how necessários para planejar e desenvolver saneamento eficaz, sistemas de remoção de resíduos e melhorias de infraestrutura. Geraldo Marinho está educando moradores de favelas urbanas e outros grupos desfavorecidos sobre as consequências de projetos de desenvolvimento para suas comunidades e ajudando-os a desenvolver alternativas positivas e concretas a esses projetos nocivos. Ele também os está ajudando a obter assistência de especialistas treinados na estruturação de programas comunitários de saneamento e desenvolvimento de infraestrutura.

A Estratégia

Em 1985, Geraldo e dois amigos fundaram a ARRUAR (Assessoria de Ubanizacao Popular), organização composta por profissionais capacitados e voltados para a prestação de serviços arquitetônicos e jurídicos a pessoas de comunidades carentes. A missão da ARRUAR é (1) ajudar os moradores de favelas urbanas a compreender o desenvolvimento e outros projetos que afetam suas comunidades, (2) ajudar essas comunidades no desenvolvimento de alternativas concretas e positivas, (3) fornecer qualquer assistência de acompanhamento necessária para trazer sobre a execução e conclusão bem-sucedidas da alternativa proposta. A ARRUAR é formada por uma equipe de oito pessoas, incluindo três arquitetos, dois engenheiros e um advogado. ARRUAR também assessora as comunidades na arrecadação de fundos para melhorias e construção de moradias e ajuda a planejar esses projetos de construção. Além disso, a ARRUAR auxilia as comunidades no planejamento de sistemas sanitários, melhorias nas ruas e outros projetos de infraestrutura comunitária. A organização de Geraldo desenvolveu apresentações de vídeo e slides para ajudar a explicar o trabalho de desenvolvimento e urbanização para comunidades pobres. Também fornece assistência jurídica para ajudar as comunidades a obter documentação legal para os direitos de uso da terra que ocupam; esta documentação fornece às comunidades um grau de proteção contra o deslocamento resultante de esquemas de desenvolvimento. A estratégia de Geraldo para o futuro da ARRUAR é estimular a formação de outros pequenos grupos locais semelhantes e estabelecer a ARRUAR como uma câmara de compensação para uma associação desses grupos. Ele também visualiza a organização assumindo um papel semelhante ao de grupos envolvidos na área de mediação ambiental nos Estados Unidos; esses grupos funcionam como intermediários entre as empresas que executam projetos de desenvolvimento e as comunidades afetadas por esses projetos.