Anil Agarwal
ÍndiaCentre for Science and Environment
Ashoka Fellow desde 1982

Ashoka comemora e celebra a vida e o trabalho deste Ashoka Fellow falecido.

Anil Agarwal está aumentando a consciência pública sobre as questões ambientais por meio de publicações, a fim de criar uma política de desenvolvimento sensata.

A Pessoa

Agarwal, um jornalista com formação científica, formou-se na Ashoka em janeiro de 1984, quando suas realizações e reputação permitiram que ele se tornasse independente do apoio da Ashoka. Agarwal está empenhada em construir uma compreensão pública das consequências científicas e ambientais do desenvolvimento descuidado e em oferecer alternativas sensatas.

A Nova Idéia

Na corrida pelo desenvolvimento, muitos projetos na Índia tiveram efeitos devastadores sobre o meio ambiente. As publicações de Anil Agarwal apresentaram, pela primeira vez, os fatos sobre a destruição do meio ambiente da Índia ao povo e ao governo.

O problema

Para acompanhar o crescimento populacional, a produção de alimentos na Índia quase terá que dobrar até o final do século, de 130 milhões de toneladas por ano para 240 milhões de toneladas por ano. Consequentemente, a Índia tem se concentrado em suas necessidades de desenvolvimento. No entanto, Agarwal sente que, para garantir que o desenvolvimento seja duradouro, ele precisa ser equilibrado com as preocupações ambientais. Culturas de alto rendimento e crescimento rápido permitiram aos agricultores colher duas ou três colheitas em vez de uma, mas o solo está sendo drenado porque os nutrientes não são repostos. O rio Yamuna, que flui através de Delhi, tornou-se impróprio para beber ou lavar, pois 200 milhões de litros de esgoto não tratado e 20 milhões de resíduos industriais são despejados todos os dias. O sobrepastoreio, o cultivo excessivo e o desmatamento estão causando erosão e, como resultado, cerca de 150 milhões de hectares de terra tornaram-se inutilizáveis.

A Estratégia

Agarwal fundou o Centro de Ciência e Meio Ambiente, um serviço de informações de tecnologia e desenvolvimento. Essa instituição publicou um relatório sobre o estado do meio ambiente em 1982 e outro em 1984. Os relatórios são análises independentes e abrangentes do que a Índia está fazendo de errado ao lidar com os problemas ambientais. Os tópicos incluem florestas, rios, represas, terra e ar. Esses relatórios são inovadores porque o governo não demonstrou muito interesse pelas questões ambientais no passado. Sua atitude se refletiu na seguinte citação da falecida Primeira-Ministra, Indira Gandhi: "A pobreza é o maior poluidor." Além disso, Agarwal tem uma coluna sindicalizada amplamente divulgada. Ao apontar a ineficácia das iniciativas anteriores, Agarwal espera que ações mais sensatas sejam tomadas no futuro. Os relatórios sobre a situação do meio ambiente têm recebido reconhecimento internacional e ampla circulação em diversos idiomas, além de serem lucrativos financeiramente. O impacto dos relatórios na Índia foi grande porque eles abordam questões não analisadas anteriormente na Índia. Os relatórios estão sendo usados por planejadores de alto nível do governo para definir a agenda do país no tratamento de questões ambientais. O impacto na Índia é grande. Os relatórios definiram a agenda do país para o tratamento do tema. Agarwal foi chamado para fazer apresentações do seu trabalho ao Conselho de Ministros e aos Secretários do Governo (chefes da função pública). A Fundação Ford já doou US $ 250.000 em financiamento para o Centro de Agarwal. Além disso, a coluna de Agarwal ganhou circulação em centenas de jornais indianos.