Enrique Velázquez
MéxicoAshoka Fellow desde 1989

Enrique Velázquez criou o Comitê de Durango para a Preservação e Defesa do Meio Ambiente, um modelo de cooperação entre governo, indústria e comunidade. Substituindo o conflito paralisante, essa abordagem classifica os problemas ambientais e promove alternativas ecologicamente corretas e equilibradas.

A Pessoa

A família de Enrique é do estado de Sinaloa, no norte, onde ele cresceu e foi estudante até o ensino médio. No início dos anos 70, ele saiu de casa para estudar na capital, a Cidade do México. Na Universidade Nacional, ele estudou primeiro para ser matemático, mas mudou de curso depois de um ano e se inscreveu para estudar Economia porque achava que estava mais focado em problemas concretos. Ele financiou seus estudos trabalhando como assistente de contabilidade em tempo parcial por vários anos. Em meados dos anos 80, ele começou a trabalhar em programas de treinamento para comunidades de pequenos agricultores no estado socialmente problemático de Guerrero, na costa oeste. Seu crescente interesse e preocupação o levaram a ajudar outras organizações rurais da região, principalmente na concepção e avaliação de projetos. Por fim, esse trabalho o apresentou ao Comite de Defensa Popular de Durango. A situação profundamente impactada e destrutiva que encontrou foi o desafio que levou à criação do Comite de Defensa y Preservacion Ecologica.

A Nova Idéia

Enrique pegou um grande problema: a poluição das águas do Rio Tunel, rio que atravessa e abastece grande parte do estado de Durango, e o transformou em pivô do desenvolvimento ambiental e econômico de o Estado. Para fazer isso, ele teve de superar um padrão em que os atores principais não falam e se mantêm, na melhor das hipóteses, com baixa consideração mútua. Em vez disso, ele criou um ambiente político e uma estrutura factual confiável que (a) impulsiona e (b) torna possível a resolução coletiva de problemas eficaz. Enrique aplicou essa abordagem aos problemas do Túnel do Rio e gerou uma série de soluções criativas que podem ter se tornado modelos úteis. Um é o Fundo Fiduciário que ele persuadiu o governo, a indústria e os pequenos agricultores a criarem juntos para pagar uma série de investimentos ambientalmente seguros que ajudariam as principais vítimas da poluição do rio & # 150; os agricultores a jusante & # 150; a se ajustar. Esses investimentos dão aos agricultores acesso a, por exemplo, água potável que eles, seus animais e suas colheitas podem usar, restaurando nascentes locais perdidas. Talvez tão importante quanto, o fundo fiduciário compromete os principais atores a enfrentar, em conjunto, os problemas de sua área de maneira honesta e analítica, e então implementar soluções que façam o melhor sentido para todos. A soma dessas soluções individuais representa uma abordagem integrada e inovadora para abordar os problemas sociais e ambientais cronicamente graves, criados pela rápida deterioração de muitos dos sistemas de água do México nas últimas décadas. A abordagem de Enrique também é um bom exemplo de como envolver com sucesso recursos externos na solução local de problemas. Ele tem sido eficaz em atrair a Universidade Nacional para ajudar com as inúmeras análises técnicas necessárias e, de forma mais geral, em dar à sua pequena organização privada um nível de credibilidade crítico para o empreendimento. Isso não aconteceu apenas com a concepção da ideia; o registro de contribuições universitárias para problemas sociais complexos, especialmente aqueles que são cheios de conflitos e, portanto, políticos ”, apesar do desejo comum de que as universidades contribuam mais”, é desanimadoramente escasso. Sua organização precisava fornecer o conhecimento e as sensibilidades que normalmente impedem a conexão entre acadêmicos e comunidades. Enrique acredita que sua abordagem pode dar uma contribuição importante para a solução de problemas ambientais da comunidade muito além da bacia hidrográfica do Túnel do Rio. Ele agora está intervindo para tentar resolver um escândalo e conflito de longa data no estado de Coahuila, onde parte da água subterrânea está perigosamente contaminada por arsênico.

O problema

Em 1988, os camponeses de Durango que viviam perto do rio Tunel e que acompanhavam sistematicamente a deterioração do abastecimento de água decidiram queimar a fábrica de celulose que há 15 anos lançava seus resíduos industriais no rio. A decisão, embora nunca consumada, foi o culminar de um conflito que Enrique tem sido o principal ator na tentativa de resolver. O estado de Durango estava mal preparado para a expansão industrial. Não havia nenhum plano de desenvolvimento urbano, muito menos provisão para um crescimento urbano ecologicamente equilibrado. O problema agravou-se em 1985, quando o então obsoleto e ineficiente sistema de tratamento de águas residuais deixou de funcionar. Mais de 800 litros por segundo de água contaminada fluíram sem ser detectados no rio Tunel, fonte de água potável para mais de meio milhão de habitantes da capital Durango. Enormes quantidades de resíduos industriais produzidos pela indústria de celulose (Durango é o estado mais importante do México na produção de madeira) também despejados no rio sem tratamento. Os altos níveis de resíduos químicos presentes no rio tiveram um efeito ainda mais deletério sobre a saúde da população local, tanto direta quanto indiretamente por meio da produção agrícola e da pecuária. O problema então não era apenas como resolver a poluição aguda do abastecimento de água de Durango e seus muitos males concomitantes, mas também como fazer uma conciliação pacífica de todos os atores envolvidos - indústria, governo e camponeses - e conscientizar todos de que ali não havia uma única causa ou solução para o problema.

A Estratégia

Enrique partiu da premissa de que nenhum grupo era culpado pela poluição do rio. E o que faltava era um estudo técnico bem planejado por uma equipe de pesquisa multidisciplinar que pudesse identificar o nível real da poluição do rio e suas causas. Embora o governo e a indústria estivessem céticos quanto à verdadeira extensão da contaminação da água no estado, os resultados do estudo os convenceram rapidamente da necessidade de diálogo. Para obter este resultado, a credibilidade foi muito importante. Enrique venceu envolvendo o Ministério do Meio Ambiente e a Universidade Nacional e dando uma cobertura substancial da imprensa e do rádio aos resultados. Sua recompensa foi uma série de acordos importantes entre todas as partes envolvidas. Conforme mencionado, uma das principais conquistas específicas de Enrique foi o estabelecimento de um Fundo Fiduciário Social (Fideicomisco). Retira investimentos de capital de cada um dos setores e financia o Plano Ecológico de Desenvolvimento Regional Produtivo com um investimento total de dois milhões de dólares. Cinquenta por cento vêm da indústria, 35% de agências governamentais e 15% de produtores locais. O plano financiará mais de 60 atividades produtivas diferentes, principalmente nas áreas de fruticultura, pecuária e piscicultura. Ao mesmo tempo, foram implantados dois projetos distintos de tratamento de água: um em seus estágios iniciais, pelo governo para tratar as águas residuais da cidade e outro para limpar as águas da fábrica de celulose. Uma Comissão de Vigilância do cidadão irá monitorar e relatar a implementação. O projeto de Enrique também estabeleceu o Programa Ecológico de Emergência para enfrentar algumas das consequências mais prementes da poluição do rio Tunel. Por exemplo, uma série de clínicas de saúde especializadas tratam de doenças (principalmente da pele) causadas pelos contaminantes da água. Uma parte particularmente importante da resposta do projeto Durango tem sido a criação de novos suprimentos de água seguros para os agricultores. Novos poços e o restabelecimento de muitas das velhas nascentes da região são uma parte particularmente importante, barata e crítica da solução de problemas do projeto. Além disso, junto com o Ministério da Agricultura, Enrique está montando novos projetos mais longe do rio, que podem tirar o abastecimento de água de poços e nascentes não poluídos. O futuro aponta para diferentes áreas de estratégia. Enrique insiste que, se o abastecimento de água deve ser totalmente protegido, ele também deve trabalhar com a fonte do abastecimento e com as comunidades da floresta que, em última instância, protegem as origens dos rios. Ele também está se mudando para ajudar a estabelecer projetos semelhantes em outros estados, especialmente em Coahuila, onde as pessoas estão recebendo água contaminada com arsênico retirada de reservatórios subterrâneos de águas profundas.