Rosario Valdez
MéxicoPrograma de Acción contra la Violencia
Ashoka Fellow desde 1989

Maria Rosario Valdez Santiago está treinando um holofote sobre violência doméstica no México. Em última análise, ela pretende pará-lo. Embora a maioria dos mexicanos não acredite que haja um problema de violência doméstica, Valdez Santiago tem evidências de que o problema é generalizado.

A Pessoa

Rosario é uma jovem psicóloga que está envolvida com questões feministas desde seus tempos de estudante, quando era a única mulher no comitê de liderança estudantil de sua universidade. Sua tese sobre o tema das abordagens psicológicas do estupro trouxe o assunto para o meio acadêmico pela primeira vez e foi diretamente responsável pela criação, posteriormente, de um grupo de estudos permanente sobre o estupro. Recentemente, ela estabeleceu contato com grupos de mulheres nos Estados Unidos, especialmente grupos mexicano-americanos, que também trabalham com o problema da violência doméstica.

A Nova Idéia

Com base no que aprendeu como líder estudantil e durante sua pesquisa sobre a violência contra as mulheres, Rosario começou a lutar contra a violência doméstica. Ela fundou o Centro de Pesquisa e Combate à Violência Doméstica (CECOVID), e ela e seus colegas estão lançando um amplo ataque à violência doméstica e ao desrespeito aos direitos das mulheres. O primeiro passo na abordagem de Rosário é tornar a violência doméstica visível, para tê-lo reconhecido pelo que é. Mesmo esse passo inicial requer uma enorme sensibilidade cultural. Ela acaba de começar a trabalhar em um dos bairros periféricos pobres da Cidade do México. Fazer com que as mulheres comecem a reconhecer e discutir gradualmente - muito discretamente - esse assunto tabu requer tempo e a criação de oportunidades seguras. Criatividade e persistência são essenciais para trabalhar com mulheres que sofreram abuso. No processo, Rosario está criando um estudo de caso comunitário detalhado sobre a extensão e a natureza do problema. Tão importante quanto isso, ela está aprofundando sua própria compreensão de suas raízes, das atitudes e costumes que a perpetuam e de suas ramificações pessoais e familiares de longo alcance. Como ela trabalha em um bairro urbano pobre, o que está documentando e aprendendo provavelmente se aplica a muitos milhões de famílias mexicanas. Para complementar seu estudo local do problema, ela também está coletando todos os dados gerais que pode encontrar para o resto do país. Mesmo que essas informações se acumulem, Rosario está fazendo um bom uso - tanto na comunidade onde ela está trabalhando quanto mais amplamente. Na comunidade, a imagem que ela está compilando serve como um espelho que ajuda as mulheres a verem sua situação com mais clareza. Em um estágio mais amplo, sua capacidade de definir a natureza e a extensão do problema está começando a fazer com que os outros se concentrem. Ela está trabalhando especialmente com grupos de mulheres em todo o país para tentar desenvolver um plano de ação coordenado. Ela está ainda mais despertando ao gerar uma série de materiais sobre violência doméstica, cada um voltado para um nível diferente de consciência existente. Ela também está ajudando as mulheres do bairro onde trabalha para estabelecer grupos de auto-análise pela primeira vez. Ela também está pronta para ajudar em casos de emergência. Ela estabeleceu e está atendendo a uma linha direta. E agora ela está estabelecendo centros de atendimento de emergência para mulheres agredidas para ajudar essas mulheres e suas famílias a superar uma crise imediata e também construir uma nova base econômica e social.

O problema

O problema da violência doméstica ultrapassa as barreiras nacionais, religiosas, de classe e étnicas. No entanto, no México é ainda mais grave porque tão pouca atenção tem sido dada à questão e porque não há serviços que atendam às necessidades psicológicas e físicas das mulheres espancadas. A opinião pública não tem educação a esse respeito. Rosario conta a história de sua primeira grande entrevista de rádio para ilustrar o quão pouco a maioria dos mexicanos tem dado atenção ao assunto. O show teve filas abertas e convidou o público a participar da discussão. Os chamadores (principalmente homens) argumentaram que o que se passa entre um casal é um assunto privado e não deve ser tornado público ou estar sujeito à interferência de estranhos. Na verdade, alguns insistiam que era o "direito" do marido bater na esposa. Em muitas áreas, a bebida agrava e justifica ainda mais o problema. Além disso, tradicionalmente as mulheres não são organizadas. Eles não têm grupos de pressão para corrigir o abuso físico e psicológico.

A Estratégia

Rosario decidiu trabalhar em um dos bairros mais pobres da Cidade do México. Na primeira fase de seu trabalho, ela se concentra em trazer o problema à luz por meio de uma campanha de publicidade localizada e uma série de eventos, como três shows de um dia inteiro na comunidade, muito ajudada pela presença de vários famosos cantores e atores que doaram seu tempo. Esses eventos de dia inteiro têm o objetivo de anunciar e preparar os moradores da área para o próximo levantamento; entre as apresentações profissionais, haverá pequenas palestras sobre violência doméstica e esquetes sobre o assunto. O próximo passo é realizar o levantamento sobre violência doméstica, que servirá como insumo para futuros trabalhos educacionais e de apoio. A pesquisa em si pretende estimular as mulheres participantes a refletir sobre o tema não como um problema de "fracasso pessoal", mas como uma "doença" que atinge milhões de mulheres em todo o mundo. Após a pesquisa, Rosário planeja uma série de filmes femininos. O objetivo da série de filmes é permitir que mulheres interessadas se reúnam e falem sobre violência doméstica, sem ter que reconhecer que vão a encontros sobre violência doméstica. Além de trabalhar no nível local, Rosario está negociando com o governo da Cidade do México a criação de seus planejados centros de apoio para mulheres agredidas.