Arturo Caballero Barrón
MéxicoAshoka Fellow desde 1989

Arturo Caballero está introduzindo grandes inovações na organização de um dos setores mais atrasados do México: a indústria pesqueira. Trabalhando na Península de Yucatán com pescadores em grande parte analfabetos, ele os está orientando para sua participação na criação de uma indústria pesqueira moderna. Este trabalho de Yucatan servirá de modelo para muitos outros grupos.

A Pessoa

Originário da Cidade do México, Arturo estudou economia na Universidade Nacional de lá, apoiando seus estudos trabalhando primeiro como assistente de biblioteca e depois como assistente administrativo em uma construtora. Depois da universidade, ele foi trabalhar nas plantações de café do sul do México e da Guatemala como administrador, passando depois para o setor bancário internacional. No Instituto Mexicano de Comércio Exterior, ele montou um banco de informações sobre comércio exterior que mais tarde foi copiado por vários outros condados latino-americanos. Ao longo de seus anos em negócios e finanças privados, ele também trabalhou consistentemente para fortalecer a organização e o comércio do setor rural. Na década de 1970, ele criou dois programas de exportação inovadores: envio de cacau para a China e bananas de pequenos agricultores de Chiapas para os EUA. Além disso, sua capacidade de entender e se comunicar com as comunidades rurais foi severamente testada em meados dos anos 70, quando ele conseguiu persuadir um grupo de camponeses que havia invadido terras a partir em paz, evitando assim um iminente e provável despejo violento pelo exército. O amor de Arturo pela península maia de Yucatan começou no final dos anos 70, quando ele foi nomeado delegado regional do Programa de Desenvolvimento Rural. Posteriormente, ele se tornou coordenador regional de um programa de treinamento voltado principalmente para funcionários municipais. Nos últimos cinco anos, porém, Arturo se lançou e se tornou uma figura-chave na renovação da indústria pesqueira em Yucatan. Sua vasta experiência em governo e finanças lhe permite exercer um conjunto especial de habilidades não comuns no setor voluntário privado no México.

A Nova Idéia

A indústria pesqueira em Yucatan, afirma Arturo, "é como um glifo maia". À primeira vista, parece impenetrável, incompreensível. Com o tempo, começa-se a entender cada parte e como cada uma interage com a outra para formar um todo. No entanto, ainda permanece um mistério, mesmo para os mais versados no assunto. Como diz Arturo, é preciso trabalhar para "desencadear a realidade". Arturo propõe que para que as cooperativas de pesca do estado de Yucatan se tornem dinâmicas e viáveis, elas devem primeiro se livrar de seu inimigo comum: a corrupção em todas as suas múltiplas máscaras e faces. Isso não apenas lhes dará uma autoimagem mais forte e o consequente respeito pelos outros, mas também terá implicações práticas que os capacitarão, por exemplo, a obter crédito mais facilmente. O combate à corrupção é parte integrante da criação de fortes laços de solidariedade dentro e entre os grupos. Treiná-los em técnicas de pesca modernas é outra questão. Aqui Arturo introduziu uma grande inovação ao persuadir a Escola de Pesca do Ministério das Pescas de que os pescadores analfabetos podem ser treinados na prática e não na sala de aula e que podem fazer exames orais em vez de escritos. O Barco Escola de Pesca (Barco Escuela) tem sido uma grande história de sucesso, permitindo que os pescadores costeiros obtenham seus diplomas de pesca de médio mar sem ter que sentar em uma sala de aula. Finalmente, Arturo está liderando uma abordagem inovadora para o investimento de capital no setor pesqueiro. Ele negociou um acordo pelo qual os pescadores recém-treinados da escola de barcos e uma importante empresa do setor privado entrarão em uma joint venture para explorar novas áreas de pesca na costa de Yucatán. Com créditos do governo e investimento do setor privado, esta é a primeira vez que os setores de pesca privado e social participam em bases iguais.

O problema

O México tem mais de 11.500 quilômetros de costa e mais de 300 espécies de peixes e crustáceos. No entanto, o mexicano médio consome apenas três quilos de peixe por ano. Em certa medida, isso se deve à tradição culinária, mas na maior parte é resultado da baixa eficiência de produção e distribuição da indústria da pesca. Talvez mais do que qualquer outro setor, a indústria pesqueira foi crivada de corrupção em todos os níveis. Tanto banqueiros quanto cidadãos comuns têm um rico repertório de histórias de imperícia - que vão desde fraude bancária ao não pagamento de créditos feitos a cooperativas de pesca e à venda privada de novos barcos fornecidos por esquemas oficiais de crédito. Dois outros problemas importantes afetam a indústria pesqueira: a falta de treinamento para pescadores com baixa escolaridade e geralmente analfabetos e a falta de investimento de capital. Na maior parte, a pesca de pequena escala no México é dominada por pequenos barcos offshore. A mudança para embarcações de médio mar mais sofisticadas implica um maior conhecimento da técnica e uma maior ausência de terra. Além disso, essas mudanças muitas vezes esbarram em uma resistência cultural persistente. A indisponibilidade ou o custo muito alto do crédito para os pequenos produtores da pesca é outra grande barreira à mudança. Mesmo quando os pescadores mudam para barcos mais sofisticados, eles podem ter que prometer virtualmente todas as suas capturas aos seus credores. É nesse mundo complicado e problemático que Arturo está introduzindo um conjunto de inovações que espera melhorar a vida dos pescadores de Yucatan e, por sua vez, servir de modelo para outros estados.

A Estratégia

O primeiro princípio de Arturo é ser rigorosamente cauteloso na escolha dos grupos com os quais trabalha. Ele é extremamente cuidadoso para nunca se identificar com um grupo suspeito de negociações duvidosas. Ele quer que cada grupo com o qual trabalha se torne um modelo. Assim que os pescadores corruptos virem que vale a pena não ser corrupto, diz ele, "então eles começarão a nos copiar. Mas primeiro tenho que provar o ponto." Parte integrante de sua estratégia anticorrupção está fortalecendo o senso de importância coletiva dos pescadores. Portanto, todas as decisões são tomadas e discutidas em assembleias; todos estão cientes de suas responsabilidades dentro do grupo e são chamados a comentar publicamente e justificar suas ações. A segunda etapa da estratégia é educacional, não só no treinamento formal recebido na escola de barco, mas também a pedido dos próprios pescadores, por meio de aulas de alfabetização. Com o aumento do respeito próprio e da participação social, surge o desejo de um novo conhecimento de novas habilidades para permitir uma participação ainda maior. A terceira etapa da estratégia de Arturo é aumentar a produtividade de seus pescadores e ajudá-los a comercializar mais de seus produtos de forma mais lucrativa. Arturo já conseguiu financiamento e construiu uma fábrica de filetagem e congelamento. Agora ele está iniciando um novo empreendimento cooperativo entre os setores de pesca privado e social em Yucatán, com igual participação e benefício para ambas as partes. Algumas das ideias de Arturo estão começando a se espalhar para além de Yucatan. Ele agora está assessorando cooperativas de pesca no estado de Tamaulipas, no norte do país, na criação de uma escola de barcos.