José Roberto Escórcio
BrasilAshoka Fellow desde 1989

Escorcio, 32, é um agrônomo que trabalha para encontrar mercados alternativos para a produção de pequenos agricultores assentados.

A Pessoa

José Roberto Escorcio é um imigrante português que trabalhava em plantações de frutas cítricas no estado de São Paulo. Na faculdade estadual de agricultura do Paraná, atuou no governo estudantil e transformou a residência estudantil que dirigia em um empreendimento autossuficiente para os alunos mais pobres. Em seguida, trabalhou entre pequenos agricultores e trabalhadores rurais no Paraná até ser convidado a ingressar em uma secretaria de agricultura de um governo progressista. Com seus programas inovadores na secretaria encerrados com a mudança de governo, José Roberto iniciou sua busca por meios de ajudar os pequenos agricultores a se ajudarem sem contando com o apoio do governo.

A Nova Idéia

No furor contínuo em torno da reforma agrária no Brasil, os defensores às vezes negligenciam a importância de não apenas obter a terra, mas de mantê-la. José Roberto Escorcio está ajudando pequenos agricultores em assentamentos de terra no estado do Paraná, no sul do Brasil, a comercializar seus produtos, aumentar a renda e permanecer na terra. “O problema muitas vezes é que as pessoas se preocupam em obter o assentamento, mas não o fazem. não entendo nada sobre a venda de seus produtos agrícolas ", diz Jose. "Eles podem produzir lindos produtos, mas quando chega a hora de vendê-los, eles vendem para o primeiro intermediário que aparece a qualquer preço que ele pagar. Os pequenos produtores foram expulsos de suas terras em primeiro lugar porque eles não tinham um visão do empresário. Eles não tinham visão de mercado. Perderam para os especuladores. Nesses assentamentos, eles ganham terras, mas sem essa visão de mercado, em um ou dois ou três anos acabam novamente sem terras. ”Enquanto isso nas cidades , as populações urbanas pobres passam fome porque os preços dos alimentos estão altos. Quando o feijão preto, um alimento básico da dieta brasileira, chega aos mercados da cidade, o preço é 86 por cento mais alto do que o pequeno agricultor do Paraná recebia por eles. Para ajudar as populações rurais e urbanas pobres, José promove os mercados de produtos da cidade, especialmente em bairros de baixa renda, onde os criadores vendem seus produtos sem intermediários. O produtor consegue um preço melhor, e o consumidor também. Escórcio trabalha com lideranças de 70 assentamentos obtidos por meio da reforma agrária. Ele ensina como comercializar com a produção e levar o que aprenderam para os assentamentos. Na ponta receptora, nas cidades onde a produção tem mercado potencial, Escorcio dá cursos de 30 horas para agentes do governo local para ajudá-los a desenvolver a mercados diretos de produtos em bairros mais pobres. "Nas prefeituras mais progressistas, o curso é bem recebido", diz ele. “Mostro como é fácil, mesmo com entraves, fazer um mercado onde o produtor venha vender sua mercadoria no final de semana. É uma ideia nova para a maioria deles.” A agenda dele está se enchendo de datas para ministrar o curso, realizar um seminário nacional ou Dia Mundial da Alimentação e se reunir com associações de pequenos produtores, sindicatos de trabalhadores rurais, defensores da reforma agrária e grupos religiosos que trabalham entre os pobres rurais e urbanos. Escórcio às vezes encontra divergências de opiniões entre as várias tendências, mas tenta mostrar que a cooperação dá os melhores resultados. Por exemplo, grupos religiosos liberais recentemente expressaram preocupação de que mostrar aos pequenos produtores agrícolas como entrar no mercado e aumentar seus lucros encorajaria atitudes comercialistas e competitivas entre eles. "Mas, pelo contrário, digo a eles que é importante se organizar para negociar o mercado. Sozinho, você é apenas um ", diz ele. Ele quer aplicar essa mentalidade coletiva também à compra de alimentos básicos, para que os assentamentos possam comprar no atacado sal, café e outros bens que não produzem em suas próprias terras . Escórcio quer ver uma estrutura política e econômica que torne viável e atraente para os pequenos agricultores permanecerem em suas terras, produzirem, desfrutarem de um padrão de vida digno e não se sentirem obrigados a se mudar para a cidade. Essa ideia faz parte da discussão política popular no Brasil, mas a vontade política de colocá-la em prática não é evidente. “Foi um senador americano que disse que as reais prioridades de um governo podem ser vistas em seu orçamento”, lembra José Roberto. Por esse padrão, ele não considera o governo especialmente preocupado com assentamentos de terras e diz que seus pequenos agricultores não têm motivos para esperar a ajuda do governo tão cedo. Ele sente que esse é mais um motivo para os agricultores cooperarem e aprenderem a comercializar seus produtos para se assegurarem de manter as terras que lutaram para adquirir.

O problema

Com o desenvolvimento da agraindústria, a sobrevivência dos pequenos produtores no campo tornou-se cada vez mais marginal. Muitos deles foram expulsos de suas fazendas devido ao aumento da concentração de terras nas mãos de grandes empresas. Essas empresas então plantam safras comerciais, como soja, substituindo as safras básicas de subsistência, como feijão e milho. O resultado é a fome tanto no campo quanto na cidade. Os alimentos produzidos para o consumo são vendidos por uma oligarquia de grandes comerciantes e supermercados que fixam preços em altas taxas. Eles também reduzem a qualidade dos alimentos, cortando constantemente os custos de produção para aumentar os lucros. Os consumidores não têm alternativas para alimentos baratos e saudáveis e os pequenos produtos não têm a capacidade de comercialização ou produção para vender a esses grandes varejistas.

A Estratégia

O primeiro ano do projeto é dedicado à construção de uma estrutura financeira e administrativa, pesquisando como são fixados os preços, analisando os mercados e vendendo um calendário de vendas de acordo com as safras sazonais. Uma segunda fase de dois anos é dedicada à consolidação de mercados, refinamento de métodos de marketing, localização de atacadistas que não cobram altas comissões e estabelecimento de um mercado central para coordenar todo o projeto. A fase final de um ano serve para demonstrar resultados em lucratividade real e eficiência de custos. A essa altura, o projeto deveria ter sido absorvido por operações maiores da mesma natureza. A conscientização sobre os direitos do consumidor e dos pequenos produtores é estimulada ao longo da vida do projeto.